eletronicos/300x250.gif
  Receba as dicas do site pelo Fedd de Rss             

CULTURA RIO - DEBATE

África Diversa

Por Diego Cotta / Letícia Reitberger - Target Assessoria de Comunicação

Escritores, pensadores, acadêmicos, atores e músicos, todos reunidos no projeto 'África Diversa'
Evento que contará com expoentes dos estudos afro e oferecerá oficinas, minicursos e palestras. De 21 a 25 de maio no Centro de Artes Calouste Gulbenkian.
Entrada franca.

Hassane Kassi Kouyaté - Ator e diretor teatral africano

Reafirmar referências africanas através de sua cultura e literatura: esse é um dos objetivos do projeto África Diversa, que traz ao Rio de Janeiro uma ampla agenda que mostrará um pouco do legado afro-brasileiro e africano. Durante cinco dias (de 20 a 25), no Centro de Artes Calouste Gulbenkian (coração da Praça XI – conhecida como Pequena África; reduto por excelência dos negros brasileiros), o público poderá acompanhar um seminário educativo com oficinas, cursos, palestras e debates com escritores, pesquisadores e artistas que trabalham com estes temas. Da mesma forma, poderá prestigiar e participar de apresentações artísticas diárias e lançamento de livros. O evento tem como objetivo a formação de educadores e artistas que desejam se aprofundar no conhecimento de temas sobre cultura afro-brasileira e africana, bem como apresentar mais da cultura africana a todos os interessados. Todos os eventos têm entrada gratuita.

Milton Teixeira. Luiz Carlos Prestes Filho. Reginaldo Prandi. Joel Rufino dos Santos. Hassane Kouyaté. Tânia Andrade Lima. Ondjaki. Esses são alguns dos gigantes da cultura africana e História em geral que ministrarão palestras, minicursos e oficinas no Seminário, cujas inscrições devem ser feitas através do site www.africadiversa.com.br, a partir do dia 11 de maio. As aulas serão ministradas por profissionais qualificados, muitos deles serão os próprios palestrantes já citados. Haverá minicursos sobre os griots, danças populares maranhenses, o maracatu, contos afro-cubanos, orixás e contação de histórias.

“Esta ação vai atender à demanda da abordagem de questões ligadas à cultura afro-brasileira, não somente na literatura, mas também acadêmica e artística. Nossos palestrantes, verdadeiras autoridades na temática afro-brasileira e com vários livros publicados, terão o desafio de trazer novas questões, olhares  e reflexões sobre a formação de identidades, a diversidade cultural, a relação entre tradição e contemporaneidade, o diálogo África-Brasil e, sobretudo, a importância da transmissão oral nestas sociedades”, explica a curadora do África DiversaDaniele Ramalho.

A programação tem início às 10h de domingo (20), na Praia de Copacabana, com a apresentação do grupo folclórico do Maranhão ‘Boi Brilho de Lucas’. Às 15h, a ‘Roda de Tambor de Crioula’, também do Maranhão, se apresentará na Praça XV. Na manhã seguinte, no Centro de Artes Calouste Gulbenkian, haverá a abertura oficial com o Secretário Municipal de Cultura Emílio Kalil (às 09h), será dado início ao seminário e às atividades artísticas como mostra de filmes, shows (Baile Black com DJ Marcello B Groove e show do BNegão), contações de histórias e teatro adulto. Serão apresentados os espetáculos: “The Island”, da Cia do griot Hassane Kouyaté, Deux Temps Trois Mouvements (Dois Tempos Três Movimentos) no dia 24, às 18h, e “Besouro Cordão de Ouro” no dia25/maio, às 20h, com a direção de João das Neves.

Mais informações (toda a programação) sobre os eventos e inscrições para o seminário no site www.africadiversa.com.br, a partir do dia 11/05. As atividades terão certificado de participação para quem se inscrever através página do projeto.

Hassane Kouyaté, griot, ator e diretor teatral africano, participa do projeto ÁFRICA DIVERSA
Evento contará com expoentes dos estudos afro e oferecerá oficinas, minicursos, palestras e manifestações artísticas. De 20 a 25 de maio no Centro de Artes Calouste Gulbenkian. Entrada franca.

Nascido em 1964 no Burkina Faso, na África, o contador de histórias, ator, músico, dançarino e diretor de teatro Hassane Kassi Kouyaté, teve seu crescimento e aprendizagem dentro de uma família de griots – os tradicionais "senhores da palavra", responsáveis por transmitirem a genealogia do continente africano para o povo. Por currículo tão extenso e consagrado na arte da oralidade, Hassane é um dos convidados especiais da segunda edição do África Diversa, que acontece de 21 a 25 de maio no Centro de Artes Calouste Gulbenkian. Ele ministrará um minicurso e uma oficina e apresentará a sua peça teatral “The Island”.

Hassane já atuou em várias companhias africanas e teatros europeus como diretor, ator de seus projetos e também como convidado (por exemplo: ele atuou no espetáculo Le Costume de Can Themba, com a direção de Peter Brook, um dos mais respeitados profissionais de teatro da atualidade). Atualmente, ele divide sua vida entre a Europa e a África. É diretor artístico da companhia Deux Temps Trois Mouvements (Dois Tempos Três Movimentos) em Paris – onde produz e organiza eventos culturais e artísticos em colaboração com prefeituras, festivais, coletivos, empresas, associações e artistas – e dirige a Casa da Palavra – Centro Regional das Artes da Narrativa e da Literatura Oral (situada no bairro mais popular de Bobo Dioulasso, no Burkina Faso). 

Ainda hoje os griots atuam no equilíbrio da sociedade, como mediadores e mensageiros indispensáveis, além de serem também contadores de histórias. Eles promovem mediações entre famílias e casais, e com a palavra realizam louvores endereçados aos poderosos, assim como narrações históricas que declamam nas festas, contos morais que contam ou cantam por ocasião das cerimônias em que participam, ou serviços que oferecem quando intervêm em conflitos.

Nesta segunda edição do  África DiversaHassane apresentará o espetáculo teatral “The Island”, da sua Cia Dois Tempos Três Movimentos. Na peça, a gravidade dialoga com o burlesco e a tragédia está dentro da tragédia - falando de um lugar onde, apesar de tudo, encontramos esperança. Afinal, há sempre alguém que quer censurar, proibir, reprimir. Mas, também, há pessoas que têm o desejo de resolver problemas, que decidem e, apesar dos sofrimentos e enfermidades, não desistem e questionam. É sobre essas questões que trata o espetáculo, que será encenado dia 24 (quinta-feira), às 18h, no Centro de Artes Calouste Gulbenkian (entrada franca).

Premiado espetáculo Besouro cordão de ouro também faz parte da programação teatral do África Diversa

Já na sexta, dia 25, às 20h, entra em cena espetáculo “Besouro Cordão de Ouro”, com a direção de João das Neves. Indicado a três categorias do Prêmio Shell (2007) e já tendo participado de outros grandes festivais de teatro do Brasil, a peça mostra, de maneira lúdica, a trajetória, filosofia, prática e música do mestre Besouro – um personagem brasileiro, tão rico e pouco explorado – e conta um pouco da história do Brasil e da nossa formação, com suas raízes culturais na música, na dança e no ritual. Besouro é um símbolo do Brasil, símbolo de coragem, qualidade, criatividade e resistência; um símbolo da cultura que forma o ser brasileiro. 

24 de maio, quinta-feira, 18h às 19h
Espetáculo teatral ‘The Island’. Direção: Hassane Kouyaté, de Burkina Faso. Espetáculo em que a gravidade dialoga com o burlesco e no qual a tragédia está dentro da tragédia, mas que também fala de um lugar onde, apesar da tragédia, encontramos esperança. Faz parte da Cia. Dois Tempos Três Movimentos, criada por Hassane Kouyaté, que está sediada em Paris e trabalha com atores de diversas culturas. Gratuito.

25 de maio, sexta-feira, 20h às 21h
Espetáculo teatral “Besouro Cordão de Ouro”. Texto, músicas e letras: Paulo César Pinheiro. Direção: João das Neves. Direção Musical: Luciana Rabello. Realização: Agosto Cultural - JLM Produções Artísticas. Elenco: Alan Rocha, Anna Paula Black, Cridemar Aquino, Iléa Ferraz, Letícia Soares, Marcelo Capobiango, Maurício Tizumba, Sérgio Pererê, Valéria Monã, Victor Alvim "Lobisomem", William de Paula e Wilson Rabelo. 

O espetáculo mostra, de maneira lúdica, a trajetória, filosofia, prática e música do mestre Besouro - um personagem brasileiro, tão rico e pouco explorado - e conta um pouco da história do Brasil e da nossa formação, com suas raízes culturais na música, na dança e no ritual. Besouro é um símbolo do Brasil, símbolo de coragem, qualidade, criatividade e resistência; um símbolo da cultura que forma o ser brasileiro. 

INFORMAÇÕES - Seminário África Diversa
De 21 a 25 de maio de 2012 - Entrada franca

LOCAL - Centro de Artes Calouste Gulbenkian
Rua Benedito Hipólito, 125 - Praça XI