Bem-estar

A LÍDER HUMANITÁRIA

AMMA - Abraçando o Mundo

AMMA - Abraçando o Mundo

Foto: divulgação

Missão Humanitária

Amma Mãe Adoração à divina mãe

Amma é fundadora da maior obra social do planeta. Sua Fundação Mata Amritanandamayi Math foi considerada pela ONU, a Organização das Nações Unidas, como “a única organização não-governamental capaz de promover um esforço humanitário completo em larga escala”.

Trata-se de uma imensa rede de atendimento gratuito com modernos hospitais, clínicas, orfanatos, farmácias ambulantes, asilos, creches, pensão para viúvas, construção de casas populares, entre outros programas de combate à pobreza que beneficiam milhões de indianos das classes menos favorecidas.

A Fundação também contempla universidades, escolas, centros de pesquisa e treinamento, institutos de tecnologia, além de projetos de conservação ambiental.

Para se ter idéia da grandeza do seu trabalho, o presidente da Índia, Abdul Kalan – que é muçulmano -,doou 10 meses do seu salário para a Fundação.

Outra marca da Missão da Amma é o auxílio às vítimas de catástrofes naturais, como terremotos, enchentes e maremotos. São acontecimentos que costumam registrar milhares de perdas humanas, além de um prejuízo material incalculável. Quando o Tsunami devastou o sul da Índia, em 2004, por exemplo, o M.A. Math proporcionou ajuda imediata e promoveu programas de recuperação a longo prazo. Na ocasião, Amma conduziu milhões de voluntários que trabalharam incansavelmente para atender as mais diversas necessidades, como tratamento médico, fornecimento de comida, roupas e abrigos, construção de casas populares, reintegração dos sobreviventes, etc.

Em 2005, a Organização das Nações Unidas conferiram à organização da Amma o título de consultor especial, em reconhecimento ao seu notável trabalho de auxílio nas catátrofes e a tantas outras atividades humanitárias.

Os esforços da Amma vão além do auxílio material. Seu objetivo é prover cada aspecto do bem-estar: físico, material, emocional e espiritual, oferecendo aos necessitados uma base sólida para que consigam reencontrar um sentido na vida e enxergar um futuro novamente.

Inspirados pela Amma, inúmeros projetos assistenciais têm sido criados em todo o mundo. A Cozinha da Amma é um deles. Funcionando ativamente em 33 cidades dos EUA e também na Costa Rica, os voluntários servem gratuitamente refeições vegetarianas aos moradores de rua.

Todas as instituições criadas em nome da Amma são mantidas através de doações, vendas de produtos, como livros, cd’s e dvd’s, e o trabalho voluntário de milhares de pessoas, entre discípulos, seguidores e admiradores. Todos com a fé de que o serviço abnegado é capaz de promover uma profunda transformação interna, através do desenvolvimento do amor e da compaixão.

Missão Humanitária

OBRAS ASSISTENCIAIS:

Amma é mais conhecida pelo seu trabalho assistencial. Criadora da maior obra social do planeta, sua Fundação Mata Amritanandamayi Math foi reconhecida pela ONU (Organização das Nações Unidas) como a “única organização não-governamental capaz de promover, em larga escala, um esforço humanitário completo”.

A Fundação mantém uma imensa rede de atendimento gratuito com hospitais, clínicas, orfanatos, farmácias ambulantes, asilos, creches, entre outros serviços e programas de combate à pobreza. Além disso, também contempla universidades, centros de pesquisa e formação acadêmica, além de projetos de conservação ambiental.

Todas as instituições criadas em nome da Amma são mantidas através de doações, vendas de produtos e o trabalho voluntário de milhares de pessoas.

SUA VIDA

Amma veio a esse mundo com um terno sorriso em seu rosto, como se fosse uma profecia da alegria e bem-aventurança que iria fazer conhecer a tantas pessoas em todo o mundo. Nascida em uma pequena aldeia em Kerala, Índia, no dia 27 de Setembro de 1953, seus pais deram-lhe o nome de Sudhamani, que significa: 'Jóia Suprema'. Mas eles somente vieram a entender sua grandeza espiritual muitos anos depois.

Apesar de nascida Divina, Sudhamani passou os anos de sua infância e adolescência em intensa prática espiritual de maneira a dar um exemplo vivo ao mundo. Mesmo quando criança, ela era freqüentemente encontrada absorta em meditação profunda, totalmente esquecida do que se passava ao seu redor. Aos cinco anos de idade, ela já havia começado a compor músicas de devoção ao Senhor Krishna, que transbordavam de comovente saudade e, freqüentemente, carregavam profunda introspecção mística. Ela abria seu coração e sua alma nessas melodias, em extremo esquecimento de si, e sua doce voz tornava-se fonte de imensa alegria para os aldeões.

Quando Sudhamani tinha nove anos de idade, sua mãe ficou muito doente e todo o trabalho doméstico e de cozinha caíram sobre seus ombros, forçando-a a largar o colégio. Sudhamani fazia o trabalho extenuante, sem sombra de queixa, alegremente oferecendo cada momento de suas longas horas de trabalho e preces ao Senhor. Ela aceitava de bom grado todo obstáculo, cada maltrato que recebia de sua família, e encontrava refúgio em seu amado Sri Krishna. Mesmo com seu dia de trabalho terminando à meia noite, ao invés de cair no sono, ela passava o resto da noite meditando, cantando e rezando.

Outra qualidade que era claramente manifesta em Sudhamani nessa tenra idade era seu amor e compaixão pelos seres humanos. Como parte de seus afazeres domésticos, Sudhamani freqüentemente visitava as casas da vizinhança para coletar restos de comida para as vacas da família. Ali, ela escutava pacientemente as narrativas de desgraças contadas especialmente pelos mais idosos, que freqüentemente eram maltratados pelos filhos e netos. Através das histórias deles, Sudhamani observava que as mesmas pessoas que quando crianças haviam rezado pela saúde e longevidade de seus pais, passavam a maldizê-los quando velhos e enfermos. Ela via que o amor terreno sempre tinha um motivo egoísta subjacente e era volúvel e limitado.

Apesar de ser apenas uma criança, Sudhamani fazia o que estava ao seu alcance para aliviar o sofrimento de seus vizinhos idosos. Ela os banhava, lavava seus pertences e trazia para eles comida e roupa de sua casa. Esse hábito de dar as coisas de sua família deixou-a em apuros. Entretanto, nenhum castigo fora capaz de evitar o florescer de sua compaixão inata. Sudhamani dizia a seus pais: "O próprio propósito de meu nascimento é o de sofrer pela ignorância dos outros."

Ao alcançar a puberdade, o amor de Sudhamani pelo Senhor tomou proporções indescritíveis. Seus humores extáticos tornaram-se mais e mais freqüentes; ela dançava e cantava em bem-aventurança, intoxicada de Deus e totalmente esquecida do mundo. Aos olhos de Sudhamani, Krishna permeava todo o universo. Não demorou muito até que entrou em união mística profunda com seu Senhor, união tão completa, que ela não era mais capaz de distinguir entre Krishna e ela mesma.

Um dia, ela teve uma visão gloriosa da Divina Mãe do Universo (Devi). Essa experiência seguiu-se de um estado sem fim de intoxicação de Deus de tal intensidade, que dia e noite ela ficava afogada de desejo pela união com a Divina Mãe. Sua família e muitos dos aldeões ficavam completamente perplexos ao tentar entender os estados sublimes da Sudhamani e começaram a atormentá-la de todas as maneiras possíveis. Finalmente, ela foi forçada a deixar sua casa e passar seus dias e noites ao relento. O céu tornou-se seu teto e a terra, sua cama; a Lua, sua lâmpada e a brisa do mar, seu ventilador.

Quando a própria família de Sudhamani e os aldeões a rejeitaram, foram os pássaros e outros animais que se tornaram seus amigos leais e fizeram-na companhia. Enquanto cantava canções à Divina Mãe, pombos e papagaios ficavam à sua frente, e abrindo suas asas, como se estivessem dançando em júbilo ao som de sua música.

Sudhamani submergiu por meses a fio em práticas espirituais das mais rigorosas e austeras. Todo o seu Ser queimava de amor e desejo ardente pela Deusa. Ela beijava a terra e abraçava as árvores, percebendo a Divina Mãe em tudo. Ela chorava ao toque da brisa, percebendo-a como um carinho da Divina Mãe. Muitas vezes foi encontrada imersa em samadhi por longas horas.

Sua sadhana (prática espiritual) culminou com a total dissolução de seu 'eu' pessoal na Divina Mãe do Universo. Em um de seus bhajans (canto devocional), Amma retrata essa experiência da seguinte maneira: "Sorrindo, a Divina Mãe tornou-Se um corpo de luz que fundiu-Se a mim. Minha mente floresceu e foi banhada pela luz de vários tons da Divindade. Daí em diante, nada reconheci como separado do meu próprio Ser."

Ela realizou que: "Todo o Universo se revelou como uma pequena bolha dentro do Ser."

A vibração primordial que a tudo permeia, "Aum" ou "OM", espontaneamente brotou de dentro de seu Ser. Sudhamani agora vivenciava todas as formas de Deus como manifestações do Atman único.

Apesar da Amma constantemente residir na Verdade Suprema, por compaixão, ela vive no nosso nível para nos elevar.

Swami Amritaswarupananda.

Saiba mais visite o site: www.ammabrasil.org

Navegue por NossaDica

Copyright © 2007 • Nossadica • Todos os direitos reservados • Mapa do siteWebMasterHostDica Serviço de Internet