Artigos

ARTIGOS - MARKETING

Marketing no Sec. XXI

Foto: divulgação

As oportunidades e os desafios do profissional de
Marketing para o Séc. XXI

O Marketing em Desenvolvimento

Francisco Carlos Távora Heitmann
Mestre em Administração e Desenvolvimento Empresarial. 
ftavora@ism.com.br

RESUMO

Por este artigo procura-se mostrar as oportunidades do mercado de trabalho para os alunos e futuros profissionais de marketing, assim como os principais desafios e preocupações a serem enfrentados e superados. Abordam-se também alguns temas como a relevância dos princípios éticos e de cidadania, orientadores da conduta do profissional de marketing. Finalmente, procura-se esclarecer, à luz da lexicologia, as diferenças entre os termos marqueteiro e marquetista, utilizados para designar os profissionais envolvidos diretamente com as ações de marketing.

1 – INTRODUÇÃO

O marketing é uma cultura recente para o Brasil. As primeiras aulas de marketing foram proferidas por volta de 1952 na Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo. Apesar do pouco período de desenvolvimento do marketing no país, o Brasil se destaca em importantes aspectos da ciência, da tecnologia e da economia mundiais e de outras relevantes atividades e certamente precisará de ações de marketing para continuar seu desenvolvimento. Precisará, portanto, de profissionais capazes de levarem avante estes e novos empreendimentos e realizações brasileiras.

Afinal, somos o único país do mundo onde se pode abastecer um carro de três formas: gasolina, gás e álcool; somos o país com maior potencial para desenvolver o biodísel, com base na mamona (abundante no nordeste brasileiro); temos quatorze montadoras de automóveis, consideradas modernas e competitivas fabricando carros e caminhões da melhor qualidade; somos reconhecidos mundialmente como o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis; somos o único país do mundo capaz de mobilizar sua população em 24 horas, numa emergência;  os Estados Unidos  reconheceram a qualidade dos nossos aviões e pretendem adquirir aviões brasileiros altamente especializados para o treinamento da sua força aeronáutica; a Petrobras é a única empresa do mundo a deter a tecnologia completa de prospecção e produção de petróleo em águas profundas; nossas empresas produtoras de aço competem com as melhores do mundo; somos o primeiro país do mundo a desenvolver o biodisel à base de mamona, com tecnologia totalmente nacional;  temos quase 7.000 empresas com o Certificado ISO 9.000 (o México tem cerca de 300, e a Argentina por volta de 265); o Brasil é o segundo mercado em jatos e helicópteros para executivos; o Brasil é o país mais empreendedor do mundo e mais de 70% dos brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte do seu tempos em trabalhos voluntários; o Brasil possui  o mais moderno sistema bancário do planeta; somos um dos maiores do mundo em telefonia celular (cerca de 650.000 novas habilitações a cada mês); 97,3 % das crianças brasileiras entre 7 e 14 anos estão estudando; nossos internautas representam 40% do mercado da América Latina; o Brasil é o único país do mundo que consegue dar o resultado de qualquer eleição em menos de 24 horas depois do início das apurações; alguns dos maiores e melhores prêmios em publicidade já foram conquistados pelas agenciam  de publicidade brasileiras; o Brasil é pentacampeão mundial de futebol; hexa-campeão mundial em vôlei Muitos brasileiros ocupam cargos de destaque em diversas empresas do mundo: um brasileiro é o Presidente da Renault e da Nissan, e um outro é o diretor de Marketing da Volksvagen (na Alemanha).

2 – O MARKETING EM DESENVOLVIMENTO

Pesquisas recentes informam que cerca de 40% da população ativa nos Estados Unidos está envolvida em atividades ligadas diretamente ao marketing; cerca de 45% das despesas familiares são gastos em serviços (assistência médica, educação, recreação e congêneres) nas quais a ênfase está no marketing e não nas atividades de produção ; mais de 50% do dinheiro gasto pelo consumidor apóia atividades de marketing (como propaganda,vendas pessoais, vendas a varejo,embalagem e transporte).
(Sandhusen, 2003 – p.30)

Dificilmente uma empresa poderá chegar ao sucesso em suas áreas de atividade fazendo apenas “as coisas certas”. Está cada vez mais evidenciado que as atividades de marketing nas empresas se tornam cada vez mais relevantes em setores de atividades em que antes se situavam em segundo plano. Isto tem sido possível graças aos novos talentos que as empresas recebem. São os bacharéis e estudantes de marketing. Na Alemanha (sem grandes tradições no marketing), um brasileiro de 32 anos assumiu a direção mundial do marketing em uma das maiores montadoras de automóveis do mundo, a Volkswagen. É comum encontrar brasileiros em postos relevantes no mercado de trabalho mundial.

Existe uma sadia preocupação no sentido de que os lugares destinados ao profissional de marketing não sejam ocupados por “curiosos” e desinformados, que poderiam levar ao descrédito a profissão. Deslocar um funcionário momentaneamente ocioso para execução dos serviços de telemarketing, por exemplo; delegar para outros profissionais algumas tarefas que seriam pertinentes ao profissional de marketing. Isto preocupa. Não aos profissionais que continuarão soberanos em suas missões, mas sim quanto aos resultados a serem obtidos pelas empresas: nem sempre os desejados.

Cabe ao marketing desenvolver a sua verdadeira missão integrado às demais áreas da empresa. É necessário que as empresas compreendam a gestão de marketing como o caminho certo para o seu desenvolvimento. As Universidades estão se esforçando para qualificar a juventude que tem vocação para o marketing oferecendo cursos bem planejados e estruturados, capazes de aliados às experiências e casos oferecidos, capacitar novos profissionais de marketing.

ÉTICA.

Recente pesquisa desenvolvida pela Harvard Business Review apontou alguns dos principais erros históricos cometidos pelos profissionais em geral, indesculpáveis para o profissional de marketing.
Superfaturar, falsificar documentos, mentir, enganar, assediar sexualmente,concordar com pontos de vista incorretos, utilizar informações privilegiadas, dentre outros, são incompatíveis com o profissional de marketing.
Exige-se dele uma conduta íntegra, voltada para “atender às necessidades e desejos do consumidor com ética e responsabilidade social”. (Parte de Juramento do bacharel em  marketing).
Em situações duvidosas ou pouco definidas, quando estiver em dúvida sobre uma ação ou decisão a tomar, não o faça.
 A ética é considerada como “ o código de princípios morais que estabelecem padrões do bem e do mal, do certo e do errado, para a conduta de alguém”.(Schermerhorn,2007 p.51)

3 – PERFIL DO ALUNO E FUTURO PROFISSIONAL DE MARKETING

É desejável observar alguns pontos importantes exigidos para a qualificação do profissional de marketing.

Visão generalista do mercado; ser crítico, ético, reflexivo; ser capaz de criar empreender, analisar, planejar, gerenciar e executar processos orientados para satisfação aos desejos e necessidades do seu cliente; antecipar tendências; implementar novas idéias; desenvolver produtos e serviços.

Estas qualificações o aluno passará a obter no decorrer dos seus estudos e com as experiências profissionais iniciais, aliadas a sua vocação natural para o marketing.

4-MARKETING: ORIGEM E EVOLUÇÃO DO TERMO

Os estudos dos professores Edgard Lopes Passeri e Elis Crokidakis Castro nos informam que à luz da filologia podemos entender a origem da palavra marketing e suas principais derivações.
Mercari (do latim) é sua origem.
Na derivação, as palavras se formam por outras, por agregação de elementos que mudam seu sentido, embora lembrando sempre a significação da palavra primitiva. Na composição cria-se uma palavra pela reunião de dois ou mais elementos vocabulares de significação própria, e o conjunto passa a ter significação nova. Muitos autores dizem que existe uma dificuldade em se estabelecer de fato um limite para essas diferenças.
Derivou para mercato, mercador, marchand, mercantil, entre outras.
Derivou para marketing, para o idioma inglês.
Market + ing (gerúndio, ação, movimento) (Mercado em ação, em movimento).
Foi assimilada pelo nosso vocabulário, como diversas palavras dessa língua. Da atividade desse profissional surge a necessidade de se criar um vocábulo que expresse a atividade do marketing. Daí surge a palavra Marqueteiro. Entendemos que a palavra marqueteiro é formada pela derivação sufixial. Ao radical do inglês é acoplado o sufixo latino Eiro, equivalente a ário, que diz respeito a profissão/ofício.
Os substantivos normalmente são vazios de significação e formam substantivos de substantivos: ex: cabelo, cabeleireiro; touro, toureiro; pedra, pedreiro; jornal, jornaleiro.
O sufixo istas, de origem Grega (istes) designa também quem pratica, desenvolve, cria,
Articula.Ex: catequese:catequista; articula:articulista; jornalista, estadista, , concertista.
Logo, ambos os sufixos geram palavras que denotam profissões, ofícios, variando apenas a origem do sufixo.
A língua portuguesa adotou a palavra e utiliza duas formas para designar o profissional de marketing:
Marqueteiro - com o sufixo eiro que denota esforços físicos (pedreiro, carpinteiro, funileiro, sapateiro, etc.)
Marquetista – com o sufixo ista que denota esforços intelectuais (catequista, estadista, articulista, estrategista, etc.).
Portanto, quanto às palavras marqueteiro e marquetista, entendemos que ambas as formas podem ser usadas, pois ambas estão corretas. O que fará determinante o predomínio de uma e outra será o uso. Caberá ao uso determinar qual a forma a ser aplicada. Cabe dizer que o uso tem papel fundamental na formação das palavras, pois ele é que ratifica aquilo que é usado pelos falantes da língua.
O importante é que o uso de uma ou de outra palavra (Marqueteiro ou Marquetista) seja de fato ratificado, principalmente pelos profissionais da área, aplicando-os adequadamente à situação, observando as que denotam esforços físicos (eiro) e as que denotam esforços mentais (ista).

5 – ALGUNS DESAFIOS QUE PODEM SER TRANSFORMADOS EM OPORTUNIDADES.
Alguns desafios que os profissionais de marketing precisarão enfrentar, evitar ou mesmo desenvolver e transforma-los em oportunidades.
Procurar avançar na tecnologia; não concentrar a renda, não matar o humanismo; reinventar a utopia, suprir as necessidades da humanidade, dar o devido valor à natureza, resguardar a soberania sem medo das vantagens da integração  mundial, globalizar sem excluir,

CONSIDERAÇÕES FINAIS
O marketing está presente na maioria das organizações. No Brasil as oportunidades são grandes para os próximos anos, graças ao desenvolvimento por que estamos passando. As previsões são otimistas, sem sofismas. Com freqüência assistimos estudantes de diversas carreiras migrarem para o Marketing, graças à ampla oportunidade de carreiras oferecidas.
Os princípios éticos serão fundamentais para o sucesso dos profissionais em todos os segmentos. O gigantismo dos desafios levará as empresas a procurarem alianças e parcerias sólidas, baseadas na confiança recíproca.
.O termo marquetista deverá ser adotado para designar os profissionais que desenvolvem esforços mentais para atuar com marketing. Por outro lado, os marqueteiros continuarão despendendo esforços físicos para tal.
As empresas que adotarem sua administração voltada para o marketing, certamente serão as mais aptas e todas atestarão o marketing como um requisito essencial para o sucesso continuado.

REFERÊNCIAS

BAKER, Michael : Administração de Marketing; tradução Arlete Símile Marques – Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

CROKIDAKIS, Elis Castro apud INFANTE Ulisses: Curso de Gramática Aplicada aos textos. S. Paulo: Sipione, 2001.

KOTLER, Philip Kotler, Kevin Lane Keller; Administração de Marketing: tradução Mônica Rosemberg, Brasil Ramos Fernandes, Cláudia Freire; revisão técnica Dílson Gabriel dos Santos 12 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

LIMA, Rocha: Gramática Normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio. 1972.

PASSERI, Edgar Lopes: notas acadêmicas.

SANDHUSEN, Richard L. – Marketing Básico – Tradução Célio Knipel Moreira – S. Paulo: Saraiva, 2003.

SCHERMERHORN, Jr. John R - Administração; tradução Mario Persona. Rio de Janeiro: LTC. 2007.