twitter Twitter facebook Facebook
MySpace MySpace

Teatro - São Paulo

Babel

Foto Ana Fuccia

TEATRO SESC PINHEIROS – Rua Paes Leme

Por Adriana Balsanelli / Arteplural

Babel, de Letizia Russo, no Sesc Pinheiros

15 de outubro a 7 de novembro de 2010

O diretor italiano radicado no Brasil Alvise Camozzi repete a dobradinha com a escritora italiana premiada Letizia Russo (Prêmio Ubu – um dos mais importantes nomes da dramaturgia contemporânea). Ele, que em 2009 montou o monólogo , no Sesc Avenida Paulista com João Miguel, texto da dramaturga até então inédita no Brasil, agora apresenta BABEL. A montagem estreia no dia 15 de outubro, sexta-feira, Sala de Oficina 2º andar do Sesc Pinheiros, com os atores Caroline Abras e Rodrigo Fregnan.

BABEL bebe na fonte estética da ficção científica. Tem inspiração especificamente no escritor americano Philip K. Dik, autor de Os Andróides Sonham com Ovelhas Elétricas?, livro que gerou o filme Blade Runner, O Caçador de Andróides, dirigido por Ridley Scott, em 1982. Ambientado em um futuro fictício, é a história de um amor impossível entre uma bailarina sem um braço e um homem, que se torna seu proprietário.

Num tempo futuro, Babel é o imenso mundo-condomínio onde vivem Falena e Boccuccia. Enquanto Falena vive no 538º andar, Boccuccia é obrigada a viver e trabalhar no 22º na parte baixa, dançando no Sha-Mát, um night club do quadrante inferior. Eles vivem uma controversa relação de interdependência, obcecados pelo desejo de tomar a N.A.V.E, sonho comum de libertação, proibido e inacessível. No passado, os dois participaram juntos de uma ação fracassada, na qual ela perdeu o braço e também seu namorado, Ferro, irmão de Falena.

A nova vida em Babel traça novas perspectivas: ele, a de enriquecer, possivelmente com a política ou o crime, ou ambos. Ela, a de tornar-se proprietária da boate onde é obrigada a se exibir. Um novo encontro com a N.A.V.E os levará numa viagem onírica e, talvez, sem volta.

De acordo com Alvise Camozzi, Letizia Russo usa o futuro para questionar a sociedade contemporânea. "Para ela, trata-se de um texto político, uma reflexão sobre o poder que passa pela relação de dominação entre um homem e uma mulher e o contexto onde vivem, Babel. Eles só conseguem sair de Babel quando se vendem", explica o diretor.

Encenação

A encenação é a continuação do processo de pesquisa iniciado em (2009). Experimental em sua estrutura, o texto de Babel ("muito particular" para o diretor) não apresenta um formato linear. São 5 breves atos sequenciais, trechos de situações, 5 momentos de vida dos protagonistas, variando cada um de 5 a 10 minutos. O público se intromete nas histórias, como explica o diretor.

"A gramática usada em é a mesma de Babel. Existiu um diálogo nosso com o cenógrafo para que ele criasse um ambiente com alguns pontos, como a incomunicabilidade entre os personagens."

Para Alvise, "Babel é um texto delicadíssimo, caracterizado por um ritmo sincopado, quase cinematográfico. Delicado, não tanto por sua matéria quanto pelo contexto no qual se encontra. No teatro, comparado a outras artes, é mais fácil criar universos não realistas, alterar o tempo, definir novas leis. O desafio, em Babel, é o de criar um universo sobre o qual não se tem memória, o do tempo futuro".

O cenário abriga um fundo infinito preto, um cubo branco vazado foi concebido como uma arquitetura. “Um sólido concreto que contém todo o espetáculo. Os atores não saem desse ambiente limitado e limitante e a luz está embutida nesse espaço”. A montagem tem uma intervenção sonora “concreta” que acompanha a narrativa de maneira não descritiva e o figurino reproduz materiais orgânicos. "O grande desafio da montagem é usar a linguagem minimalista, hiper naturalista, contida, com os atores, em oposição ao ambiente onde eles têm que atuar", completa Alvise Camozzi

BABEL – Estreia dia 15 de outubro, sexta-feira, às 21h na Sala de Oficina 2º andar do Sesc Pinheiros. Temporada – até 7 de novembro. Sextas e sábados, 21h e domingos, 18h. Ingressos – Inteira R$ 16,00 Meia R$ 8,00 e trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes R$4,00. Duração – 60 minutos. Capacidade - 40 lugares. Censura – 14 anos. Texto: Letizia Russo. Direção: Alvise Camozzi. Com Caroline Abras e Rodrigo Fregnan.

TEATRO SESC PINHEIROS – Rua Paes Leme, 195. Telefone (11) 3095-9400. Ar condicionado. Acesso para deficientes físicos. Bilheteria – Terça a sexta das 10h às 21h30, aos sábados das 10h às 21h30, domingos e feriados das 10h às 18h30. Aceitam-se cartões de crédito (todas as bandeiras) e cheques de todos os bancos.

As atrações e/ou informações sobre eventos que constam neste site estão sujeitas a mudanças e alterações sem aviso prévio. Evite surpresas telefonando antes de visitar as atrações ou eventos.