Artigos

ARTIGOS

Bem estar é estar bem?

Bem estar é estar bem

Publicidade Google

A busca pelo auto-conhecimento

Bem estar é estar bem?

Por Patrícia Albuquerque Lima

Esta é uma época do ano em que sempre fazemos muitas promessas e temos a esperança de que iremos tomar uma série de providências no sentido de resolver pendências que ficaram do ano anterior. Quem não conhece aquela famosa frase: “no começo do ano irei parar de fumar” ou até “irei perder alguns quilos” e outras idéias deste gênero.

Muitas vezes, estas promessas nos servem como motivadores para agirmos e começarmos, de fato, a tomarmos algumas atitudes e a mudarmos algumas posturas na nossa vida. No entanto, para a grande maioria das pessoas estas promessas não passam de “ilusões de solução” de alguns assuntos que nos incomodam, sem que tenham exatamente nenhum valor prático e resultem em alguma mudança efetiva de vida.

De um modo geral, o que todos buscamos através destas promessas é uma melhora na qualidade de vida, um maior bem estar – seja este físico, psíquico ou social. Mas, afinal de contas, qual é a medida para se avaliar o grau de bem estar de uma pessoa e o que, exatamente, podemos entender por isto? O conceito de bem estar é um conceito bastante difundido mas, ao mesmo tempo, usado nem sempre de um forma rigorosa e podendo estar sujeito a diversas interpretações. Talvez uma das grandes dificuldades de se definir este conceito esteja no fato de que o bem estar é uma medida subjetiva que envolve tantos aspectos físicos e concretos (boa saúde, uma vida financeira estável e satisfatória), quanto outros puramente subjetivos como o grau de satisfação que uma pessoa tem na sua vida profissional e/ ou afetiva, se esta pessoa se considera uma pessoa feliz e se ela possui uma boa rede de relacionamentos sociais e uma vida interessante em termos de lazer e ocupações.

Sem dúvida, bem estar é algo que todo e qualquer ser humano almeja alcançar. Sendo assim, por que será então que é tão difícil obtê-lo e, estas nossas promessas de começo de ano viram quase que um chavão daqueles que muitas pessoas repetem mas que de fato nunca se cumprem? O que talvez muitos de nós não percebamos é que para se obter o tão desejado bem estar precisamos de vários modos, estarmos bem o suficiente para conseguirmos agir nesta direção e promovermos as mudanças necessárias em nós mesmo e na nossa vida que nos levem a isto. No entanto, nem sempre somos pessoas tão “bem resolvidas” que tenhamos a capacidade de mudarmos, o que é necessário mudar, ou termos tranqüilidade e humildade para convivermos com o que de fato não está a nosso alcance transformar.

Eu, como psicóloga clínica com mais de 20 anos de experiência no acompanhamento de pessoas, me dou conta de que o primeiro passo para se alcançar o bem estar está, exatamente, no processo de conscientização pelo qual admitimos nossos entraves e dificuldades em mudarmos o que não gostamos pois, a verdadeira mudança sempre se inicia em nós mesmos. Admitir nossas fraquezas, imperfeições é tão difícil quanto assumirmos responsabilidade pelo comando da nossa vida e por nossas escolhas, independente do quanto agrademos ou não as outras pessoas. Muitas vezes é muito mais fácil procurarmos algo fora de nós que supostamente nos impede de experimentarmos o bem estar, do que reconhecermos em nós mesmos a dificuldade em agir e ir “a luta” por aquilo que desejamos.

Neste sentido, a busca pelo auto-conhecimento é o único caminho efetivo para que a pessoa possa estar bem, consigo própria, em primeiro lugar e, a partir de então, com as outras pessoas. Assim, creio que grande parte do que chamamos de bem estar está associado a um processo em que a pessoa experimenta este sentido de estar bem a partir de suas próprias ações e de um maior conhecimento de quem ela é e do que almeja, honestamente, para sua própria vida.

Patrícia Albuquerque Lima
Doutora em psicologia (CRP 05/10.906)
Psicoterapeuta individual e de grupos trabalhando em Botafogo, Rio de Janeiro

ticha@infolink.com.br