Cultural Rio

CULTURA RIO - CAIXA CULTURAL

“Rox Rezende – A Forma Forjada”

Rox Rezende – A Forma Forjada

Rox Rezende CAIXA Cultural

Roteiro cultural de São Paulo

Por Wendel Pires (Assessoria de Imprensa CAIXA Cultural Rio de Janeiro)

CAIXA Cultural apresenta

Exposição “Rox Rezende – A Forma Forjada”

De 29 de março a 01 de maio de 2011

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro inaugura, no dia 28 de março, a exposição Rox Rezende – A Forma Forjada com a curadoria de Denise Mattar. Serão exibidos 26 trabalhos da obra singular do artista Rogério Miranda Rezende, realizados em ferro cortado, batido e soldado. Suas peças são quadros/esculturas que resgatam a arte do ferro de forma contemporânea e criativa.

Nascido em São Paulo, em 1961, Rox realizou exposições no Brasil e no exterior, e tem sua primeira mostra individual no Rio de Janeiro. Durante anos, o artista trabalhou com mobiliário e, desde 2000, dedica-se à ferronnerie. Seu trabalho resgata um métier tradicional que, durante séculos, fez parte da arquitetura e produziu mestres como Gaudi e Guimard.

O artista utiliza formas lineares puras, que se expandem em amplas áreas vazadas e incorporam uma multiplicidade de unidades compositivas, que ele relaciona com estruturas cósmicas. De natureza construtiva, sua obra flerta, em alguns momentos, com a figuração, retraçando troncos, raízes e paisagens.

Portador de deficiência auditiva, Rox foi, na sua juventude, um campeão de surfe bastante conhecido. Encontrou na arte uma forma de expressão e comunicação. Em entrevista à curadora, ele disse que, quando trabalha, prefere desligar seu aparelho auditivo: “Mergulho no silêncio absoluto e ouço os planetas”.

Serviço:
Exposição “Rox Rezende – A Forma Forjada”
CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Galeria 1
Av. Almirante Barroso, 25, Centro, Rio de Janeiro (Metrô: Estação Carioca)
Telefone: (21) 2544-4080
Abertura: 28 de março de 2011, às 19h (para convidados e imprensa)
Visitação: De 29 de março a 01 de maio de 2011
Horários: De terça a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 10h às 21h
Entrada franca
Classificação Livre

Por Wendel Pires (CAIXA - Assessoria de Imprensa RJ)

Florestas Fantásticas e Máscaras Imaginárias
Exposição de obras de Niobe Xandó (1915-2010)

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta 42 obras de uma das artistas percursoras do Realismo Mágico no Brasil. Obras de dois períodos de seu trabalho são apresentadas pela primeira vez, em exposição individual, no Rio de Janeiro.

Exposição de 5 de abril a 29 de maio de 2011. De terça a sábado das 10h às 22h
Domingo das 10h às 21h. Entrada franca

Florestas Fantásticas e Máscaras Imaginárias

Exposição individual da artista  Niobe Xandó Florestas Fantásticas & Máscaras Imaginárias. Esta primeira mostra individual da artista no Rio de Janeiro, reúne uma seleção de quarenta e duas pinturas e desenhos. Niobe Xandó, criadora de vasta obra, é constantemente reconhecida por sua originalidade nos quase sessenta anos de contínua e intensa atividade. A visibilidade que tem experimentado – principalmente a partir da sua inclusão, no ano 2000, na Mostra do Redescobrimento, Módulo de Arte Afro-Brasileira – é justa e merecida.
Seu trabalho resultou em obra sólida e múltipla, de atualidade evidente e sensibilidade muito própria, baseada em experiências pessoais bastante diferenciadas. A forte característica de liberdade de criação, aliada ao caráter lúdico, é uma constante. Depois de contemplada e estudada com atenção, a obra de Niobe Xandó surpreende cada vez mais. Seu trânsito pelas mais diversas tendências e movimentos (muitos deles pouco conhecidos entre nós) e a sobreposição de períodos e abordagens que promoveu em sua obra, criam inúmeras possibilidades de interpretação. Com amplo currículo nacional e internacional, Niobe Xandó já foi analisada em mais de cento e quarenta textos, escritos por renomados críticos brasileiros e estrangeiros.

A seleção das obras desta individual é assinada pelo curador independente Antonio Carlos Abdalla que pesquisa e cataloga a obra da artista há mais de 10 anos. Em 2007 foi realizada grande retrospectiva de Niobe Xandó na Pinacoteca do Estado de São Paulo e, em 2008, outra grande mostra (antológica) da artista foi feita no Museu Oscar Niemeyer, de Curitiba.

Serviço:

Niobe Xandó – Florestas Fantásticas e Máscaras Imaginárias
Local: Caixa Cultural Rio de Janeiro – Grande Galeria
Endereço: Avenida Chile 230 – Centro (estação metrô Carioca)
Telefone: (21) 2262-8152
Curadoria: Antonio Carlos Abdalla
Abertura: 4 de abril de 2011 (segunda-feira), às 19h
Visitação: de 5 de abril a 29 de maio de 2011
Horário: de terça a sábado, das 10h às 22h, e domingo das 10h às 21h
Classificação: Livre
Entrada franca

Por Assessoria de Imprensa / CAIXA Cultural Rio de Janeiro

Exposição na CAIXA Cultural Rio de Janeiro

“O universo gráfico de Glauco Rodrigues”

Mostra vai reunir obras de todas as fases da produção gráfica do artista

16 de março a 8 de maio de 2011

A CAIXA Cultural Rio de janeiro apresenta, a partir do dia 15 de março, a exposição “O Universo Gráfico de Glauco Rodrigues”, uma retrospectiva abrangente da obra gráfica do artista gaúcho, um dos maiores pintores da arte brasileira contemporânea, que foi também mestre do desenho, gravador, ilustrador e cenógrafo. Esta é a primeira retrospectiva em homenagem ao artista, falecido em 2004 aos 75 anos. Entrada franca.

A mostra “O Universo Gráfico de Glauco Rodrigues” tem curadoria do dramaturgo Antônio Cava e reúne mais de 100 obras originais entre litografias, serigrafias e linoleogravuras, além de ilustrações para revistas, livros e discos, cobrindo um período de mais de 50 anos de produção artística. Todas as obras foram selecionadas do acervo do artista, atualmente sob custódia de sua esposa, Norma Estellita Pessôa, curadora adjunta da exposição.

A exposição contará com todas as fases da produção gráfica do artista. Serão exibidas 41 serigrafias, 33 litografias, 5 linoleogravuras, 3 desenhos, 29 capas de revistas, 6 capas de discos e 6 capas de livros, tendo as obras apresentadas em blocos: Clube de gravura de Bagé e Porto Alegre (anos 50), fase Pop/Nova Figuração (anos 60), fase tropicalista e antropofágica (de 1968 a 1977), Série Rio de Janeiro (1979), série Gaúcha (1976) e série de litografias com conteúdo crítico e político. Em vitrines: capas e ilustrações da revista "Senhor" (1959-1962), capas das revistas Veja e Visão, e capas de livros e discos. 

O Rio de Janeiro foi tema e linguagem na obra de Glauco Rodrigues, onde estão presentes a sensualidade da natureza, o jeito de ser do povo carioca, a praia e o carnaval. “A série de 10 litografias ‘Guia Turístico e Histórico do Rio de janeiro’ é, na minha opinião, o trabalho mais importante no grupo de litografias do artista. Nessa obra, Glauco revisita e recicla a história do Rio de Janeiro desde a sua fundação”, explica o curador.

Glauco Rodrigues foi um virtuose da linguagem gráfica. O artista utilizou e defendeu o recurso da reprodução gráfica, disciplina muito cultivada em sua carreira, para ampliar a capacidade de circulação de seu trabalho e assim democratizar sua arte. Uma obra de grande significação e importância cultural para a identidade brasileira, que opera sobre imagens símbolos de nossa nacionalidade.

A exposição tem patrocínio da Caixa Econômica Federal e, após o Rio de Janeiro, segue para São Paulo (de 28/06/2011 a 21/08/2011) e Curitiba (de 30/08/2011 a 16/10/2011). O texto de apresentação da mostra e do catálogo foi escrito por Luis Fernando Verissimo, que era amigo pessoal de Glauco e autor de dois livros sobre o artista, um intitulado Glauco Rodrigues e o outro O Arteiro e o Tempo.

O artista
Glauco Rodrigues nasceu em Bagé, no Rio Grande do Sul, em 1929, e faleceu no Rio de Janeiro em 2004, considerado um dos maiores pintores da arte brasileira contemporânea. Com os artistas Glênio Bianchetti e Danúbio Gonçalves, criou o Clube de Gravura de Bagé, em 1951. Três anos depois, integrava o Clube da Gravura de Porto Alegre ao lado de Vasco Prado e Carlos Scliar. Os clubes são pioneiros da gravura no Brasil guiados pelo realismo socialista. No período em que frequentou essas associações, Glauco aprimorou sua capacidade de desenhar, com trabalhos voltados para a representação do homem do campo e para os tipos e costumes regionais.

Em 1957, começa a transição da figura para o abstrato, na pintura de Glauco. Muda-se para o Rio de Janeiro em 1959, quando, como ilustrador, fez parte da primeira equipe da inovadora revista Senhor e desenvolveu seu talento de ilustrador ao lado de Carlos Scliar, Jaguar, Bia Feitler, Paulo Francis, Ivan Lessa, Luís Lobo e Newton Rodrigues.

Residiu em Roma entre 1962 e 1965, a convite do embaixador Hugo Gouthier, para implantar o setor gráfico da Embaixada do Brasil. Num período em que a arte não-figurativa se impõe internacionalmente, Glauco também adere ao abstracionismo. Realiza exposições individuais em Roma e Munique. Em 1964, participou da delegação brasileira na Bienal de Veneza ao lado de nomes como Tarsila, Volpi e Krajcberg. Na Bienal, Glauco ficou impressionado com a delegação americana e com o conjunto de artistas Pop. A volta ao Brasil em 1965 coincidiu com a volta de sua pintura ao figurativo. A partir daí ele escolheu dedicar-se a uma pintura que faz da base e da atmosfera fotográficas seus instrumentos fundamentais. Pintura destinada a encarar e a revelar o Brasil com olho crítico, através de uma montagem “carnavalesca”, onde histórias, imagens e fantasias do nosso passado e presente se unem.

Com mais de 50 exposições individuais e dezenas de prêmios conquistados no Brasil e no exterior, Glauco Rodrigues consta com uma importante presença na história da arte brasileira.

Serviço:
Exposição “O Universo Gráfico de Glauco Rodrigues”

Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Galeria 3
Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro, Rio de Janeiro-RJ (Metrô: Estação Carioca)
Telefones: (21) 2544-4080
Abertura: Terça-feira, 15 de março de 2011, às 19h
Visitação: de 16 de março a 08 de maio de 2011.
Horários: de terça a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 10h às 21h.
Ingresso: Entrada franca
Classificação: LivreAcesso para portadores de necessidades especiais.

Assessoria de Imprensa / CAIXA Cultural Rio de Janeiro
www.caixa.gov.br/caixacultural