Home / Peças de Teatro São Paulo / Cartas de um Sedutor da escritora Hilda Hilst, Inspira peça O Meu Lado Homem, Um Cabaré D’escárnio (Acústico)

Cartas de um Sedutor da escritora Hilda Hilst, Inspira peça O Meu Lado Homem, Um Cabaré D’escárnio (Acústico)

O Meu Lado Homem, Um Cabaré D’escárnio (Acústico) Inspirado na obra obscena Cartas de um Sedutor da escritora Hilda Hilst

Cartas de um Sedutor Espetáculo musical inspirado na obra obscena “Cartas de um Sedutor” da premiada escritora Hilda Hilst. Sápata Magáli (Luís Mármora), personagem de sexo indefinido, é apresentadora de um cabaré mínimo. Acompanhada pelos músicos Lincoln Antonio (Piano e Violão) e Simone Julian (Sopros), relembra fatos de sua vida, canta e permite à platéia um passeio pelo seu coração. A temporada contará ainda com um artista convidado a cada noite, que será a inspiração dos sonhos de Sápata.

O Meu Lado Homem, Um Cabaré D’escárnio (Acústico)

HILDA HILST foi poeta, ficcionista, cronista e dramaturga brasileira. É considerada pela crítica especializada como uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século XX. Hilda escreveu por quase cinquenta anos, tendo sido agraciada com os mais importantes prêmios literários do Brasil. Assuntos tidos como socialmente controversos foram temas abordados pela autora em suas obras.

No entanto, conforme ela mesma confessou em uma entrevista, seu trabalho sempre buscou, essencialmente, retratar a difícil relação entre Deus e o Homem. Em Cartas de um Sedutor, ela segue o modelo do romance libertino do século XVIII e submete-o a procedimentos experimentais, fazendo dele o coroamento das suas obras obscenas. Nelas, a pornografia está pensada como um lugar de resistência da imaginação auto-criadora.

Inspirado na obra obscena Cartas de um Sedutor da escritora Hilda Hilst

Para que Sápata Magáli, revele à platéia suas memórias – inventadas ou não – o espaço da encenação remete a um bar, misto de boate e cabaré. Abajur à meia-luz, um pequeno palco e uma ribalta ordinária. Ao fundo, uma cortina. Acompanhada pelos músicos que interagem constantemente com a narrativa, a protagonista canta um repertório musical variado de forte apelo popular. Clássicos como Natural Woman e Bastidores, misturam-se a composições de Rafael Castro, Luiz Gayotto e Cristiano Gouveia.

Um repertório fortemente comprometido com o imaginário de Sápata Magáli, e, principalmente, com a poética de Hilda Hilst. Além disso, a presente temporada contará com participações especiais de diferentes artistas a cada noite, entre eles: Georgette Fadel, Gero Camilo e Marat Descartes. Ao incorporar o simbolismo de um ambiente artístico decadente, outrora criativo, mas que ainda conserva um certo glamour, a encenação busca traçar paralelos com a ênfase que a autora dá à criação literária. Se no romance a personagem principal é um escritor-mendigo, no espetáculo ela é Sápata Magáli, no alto de seus sessenta e tantos anos, com experiência real do submundo, da poesia e da marginalidade.

Teatro São Paulo

O MEU LADO HOMEM, UM CABARÉ D’ESCÁRNIO (ACÚSTICO)
Texto: Hilda Hilst (Cartas de um Sedutor)
Concepção e Atuação: Luís Mármora
Direção Musical: Luiz Gayotto
Direção Artística: Marcelo Romagnoli
Músicos: Lincoln Antonio, Simone Julian, Luiz Gayotto e Ana Eliza Colomar
Roteiro: Luís Mármora, Luiz Gayotto e Marcelo Romagnoli
Cenografia: Rafael Bicudo
Assistência de Cenografia, Montagem e Operação de Luz: José Fernando Sousa
Figurino: Marichilene Artisevskis
Projeto Gráfico: Artefactos Bascos

Assessoria de Imprensa: Luiz Fernando Almeida
Produção e Realização: Marmorhaus Produções Culturais

Participações Onírico-Estelares de: Mawusi Tulani 14/7, Jonathan Silva 15 e 16/7, Letícia Coura 21 e 28/7, Marat Descartes 22 e 23/7, Ana Luiza 29/7 e Danilo Grangheia 30/7
Classificação Indicativa: 14 anos
Duração: 65 minutos
Lotação: 80 lugares
Teatro Popular João Caetano
Rua Borges Lagoa, 650 – Vila Clementino – São Paulo – S.P.
Telefone (11) 5573-3774
Ingressos a R$ 20,00 inteira e R$ 10,00 meia-entrada

Check Also

Teatro São Paulo – Kiwi, do canadense Daniel Danis

Inédito no Brasil, texto “Kiwi” do canadense Daniel Danis, faz retrato crítico e poético sobre …

Deixe seu comentário