PUBLICIDADE

Agenda Brasil

Centro Cultural Banco do Brasil - Brasília

Peça de Teatro - O Bosque

Espetáculo com texto do norte-americano David Mamet

Foto: divulgação

Roteiro cultural de Brasíla

Por Ana Rodrigues (Tato Comunicação & Marketing)

Centro Cultural Banco do Brasil apresenta “O Bosque”

Espetáculo com texto do norte-americano David Mamet De 14 de abril a 8 de maio de 2011

O Centro Cultural Banco do Brasil - Brasília apresenta, de 14 de abril a 8 de maio, estreia nacional de “O Bosque”. O texto teatral inédito no Brasil é de autoria do norte-americano David Mamet, um dos mais importantes dramaturgos contemporâneos vivos.

“O Bosque” é avaliado pela crítica como um dos resultados mais altos da obra de Mamet, enquadrado dentro do estilo “new realist” americano. A linguagem naturalista, seu contexto e seus diálogos, são habilmente construídos pelo autor sobre uma intrigante rede de símbolos e metáforas escondidas atrás de ações e palavras minimalistas, frases interrompidas, inquietações e atmosferas “Tcheckovianas”.

A peça gira em torno da relação entre Ruth e Nick, um jovem casal, de 25 - 30 anos, de férias por um fim de semana, numa casa no campo, em frente a um lago. Um casal no ápice de uma relação de recente descoberta, que de alguma maneira se põe à prova nessa viagem, longe da cidade. A cena transcorre na varanda da casa de campo de Nick, um ambiente silenciosamente povoado pela natureza, onde Nick passava suas férias quando criança.

A dicotomia e o contraste entre a vida na cidade e no campo, entre a noite e o dia, entre a verborragia e a dificuldade de  verdadeiramente se comunicar, entre os elementos masculino e feminino, serão refletidas no cenário, na iluminação e na trilha sonora que preenchem e dão densidade ao espaço.

A equipe reunida no projeto é formada por jovens profissionais que se destacam no cenário nacional das artes cênicas, pela dedicação à pesquisa e realizações de projetos que exploram o diálogo entre linguagens artísticas e a dramaturgia contemporânea, desde o início dos anos 2000.

A direção de “O Bosque” é de Alvise Camozzi (indicado em 2009 ao prêmio Bravo!) e o elenco é composto por Bruno Kott e Cristine Perón, jovens atores com experiências relevantes em teatro, cinema e televisão. A equipe artística se completa com profissionais premiados no campo das artes: o cenógrafo William Zarella Jr. (prêmio Cannes - publicidade), o iluminador Guilherme Bonfanti (prêmios Shell e APCA) e a figurinista Marina Reis (prêmios FEMSA e Avon Colors).

A produção é de Rachel Brumana, produtora e curadora responsável por espetáculos e exposições que receberam 8 indicações aos mais importantes prêmios nacionais nos últimos 3 anos.

O Bosque estará em cartaz no Teatro II do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de quinta a domingo (vide serviço). Serão realizadas 17 apresentações do espetáculo no Centro Cultural Banco do Brasil em Brasília. A peça também será apresentada, posteriormente, no CCBB São Paulo e Rio de Janeiro.

Sobre o autor e a peça

A importância da obra de David Mamet para a literatura, o teatro e o cinema, confunde-se com a própria genealogia da dramaturgia dos nossos dias e dialoga, de forma contundente, com o mundo contemporâneo.

Escrito em 1979, o argumento do texto “O Bosque” parte da relação e do conflito entre dois personagens de 25 a 30 anos, diante da evidente incapacidade de comunicação entre eles e deles com o mundo.

O tema, de uma atualidade desconcertante, quase premonitória, se manifesta como um espelho generacional, uma reflexão que caberia perfeitamente aos jovens adultos de hoje, a chamada “geração Y”, a primeira que já nasceu comunicando-se por meios eletrônicos, dos quais a internet é a máxima síntese, até mesmo dilatadora dessa problemática. É surpreendente que um texto do final dos anos 70, quando os protagonistas desta montagem brasileira e boa parte do público que a verá ainda não haviam nascido, antecipe tantas questões e dilemas contemporâneos, quase como um raio-x da psique da juventude de hoje.

As numerosas camadas de leitura do texto evidenciam a necessidade humana de produzir palavras com as quais se afirmar, se identificar e agir, a paixão e a energia que nunca se traduzem na real capacidade de se entender, a relação de atração e repulsa pelo ambiente circunstante, pela natureza, um movimento fechado num ciclo conclusivo e na procura vã de um sentido para existência.

Mamet é um cultuado artista poliédrico (além de dramaturgo e roteirista é também ator, diretor, romancista, ensaísta e blogger) e é, sem dúvida, um dos autores mais prolíficos e ecléticos da atualidade, celebrado e discutido por público e crítica dentro e fora dos Estados Unidos.

No teatro, Mamet se distingue por um estilo peculiar em que a construção dos diálogos é o ponto mais forte, situando-se entre os grandes do século passado e um dos maiores artistas do teatro contemporâneo.

Embora sua vasta produção seja base para importantes montagens em todo o mundo, é ainda pouco encenado no Brasil. “Edmond”, "Perversidade Sexual em Chicago" e “Oleanna” foram as poucas encenações de que se tem notícia nos palcos nacionais, o que ainda não faz jus à vastidão de sua produção teatral, sendo ainda muito mais conhecido no país por seus roteiros e direções cinematográficas.

Desse modo, situando-se o Banco do Brasil, por meio de seus Centros Culturais, como um dos maiores fomentadores do diálogo da produção brasileira com a dramaturgia contemporânea internacional, a montagem desse texto inédito condiz com a linha curatorial adotada pela instituição e une-se ao seu objetivo de alinhar-se à vanguarda do teatro mundial e difundir, ao público mais amplo possível, de forma acessível, direta e concreta, os novos caminhos das artes cênicas no Brasil.

Ficaha técnica:
O Bosque de David Mamet | Direção de Alvise Camozzi
Elenco: Com Bruno Kott e Cristine Perón

Serviço:

Centro Cultural Banco do Brasil
SCES, Trecho 2 Conjunto 22 Teatro II - Informações: (61) 3310-7087
Data: 14 de abril a 8 de maio de 2011
Horário:  de quinta. a sábado às 19h30; domingo, às 18h30
Preço: R$ 15,00 (inteira)/ R$ 7,50 (meia)
A venda antecipada de ingressos inicia-se no domingo, duas semanas antes da estreia espetáculo, restrita a quatro ingressos por pessoa.
Classificação Indicativa: ­16 anos

ASSESSORIA DE IMPRENSA
Ana Rodrigues (Tato Comunicação & Marketing)