PUBLICIDADE

Teatro - Rio

TEATRO - RIO JANEIRO

ESTILHAÇOS

ESTILHAÇOS

Foto: Guga Melgar

Espaço I do Museu do Universo – Planetário da Gávea

Por Bruna Amorim - Daniella Cavalcanti Assessoria de Imprensa

ESTILHAÇOS

06 de janeiro a 20 de março de 2011

Texto e direção de Eduardo Wotzik
Com Analu Prestes, Clarisse Derzié, Ricardo Kosovski e Marcos França

Espetáculo inaugura novo espaço no Rio Espaço I do Museu do Universo - Planetário da Gávea

Dia 06 de janeiro estréia “Estilhaços”, novo espetáculo de Eduardo Wotzik, que inaugura o Espaço I do Museu do Universo, no Planetário da Gávea. Com um texto bem humorado e provocativo, a peça instiga o pensamento e promove discussões éticas, morais e políticas, através de divertidas crônicas contemporâneas. No elenco, Analu Prestes, Clarisse Derzié, Ricardo Kosovski e Marcos França.

Hei de vencer mesmo sendo honesto

Estilhaços apresenta depoimentos e observações sobre o cotidiano, onde quatro atores apresentam 45 divertidíssimas crônicas do nosso tempo sobre os vários aspectos de como é viver e conviver com o mundo de hoje. É a transformação do clássico em contemporâneo e o contemporâneo em extemporâneo.

Com o formato de uma instalação, o espetáculo coloca os atores interpretando entre os espectadores, de cara limpa e no mesmo nível da platéia. A peça traz a sensação de que seu texto pertence a todos, levantando questões que passam pelos pequenos atos cotidianos do homem comum, até chegar ao cenário político do país de uma forma mais ampla.

“Eu faço teatro para não ver o jornal nacional”

“A verdade é que quando comecei no teatro, não sabia escrever. – brinca o diretor e autor. Anamaria Nunes, autora de diversos textos que montei, cansou de falar ‘para com isso, para de mexer no meu texto’. Mas fui montando, Martins Pena, Machado de Assis, Lima Barreto, Nelson Rodrigues, Clarice Lispector, Tolstoi, Euripedes, Albee, Millor Fernandes, dentre tantos outros mestres, atravessando sempre processos longos de pesquisa, investigação e ensaios. Então fui melhorando, me melhorando...acho”. Eduardo Wotzik

O Cenário – uma instalação:
A cenografia para a dramaturgia Estilhaço, é a de um espaço que não identifique um lugar teatral, uma sala de espetáculos, mas um espaço todo branco, com uma grande instalação ao centro, composta de 90 cubos de fiberglass, com iluminação própria em cada um deles. Sobre eles, e iluminando o espaço cênico, Paulo César de Medeiros criou quatro calhas de lâmpadas fluorescentes, e circunscrevendo todo esse espaço, em um nível mais elevado, uma passarela de onde se contempla todo o espaço. Um espaço estilhaçado, um espaço mágico”. José Dias

“O universo não gira, o universo clica”
Responsabilidade ambiental - Espetáculo Carbon Free:

Uma das primeiras produções teatrais a utilizar este selo, no Brasil, o espetáculo contratou a ONG Iniciativa Verde (representante do selo Carbon Free) para fazer um inventário e calcular o índice de emissão de gases de efeito estufa produzido pela montagem e estabelecer o número de árvores plantadas necessárias para compensar esta emissão.

O restauro florestal é projetado levando-se em conta critérios de máxima diversidade de espécies e as características do ecossistema local. Sempre é plantado um mínimo de 80 espécies nativas diferentes por hectare, respeitado critérios de divisão por classe de sucessão e condições específicas do local escolhido, visando restaurar a vegetação nativa da área ao mais próximo possível de sua condição original. As árvores serão plantadas em Áreas de Preservação Permanente (APPs) de matas ciliares degradadas, localizadas dentro dos limites do Bioma Mata Atlântica e, além de contribuir para a restauração e conservação deste ecossistema, fixarão a mesma quantidade de GEE contabilizados em CO2 equivalente. Após a implantação do restauro, é feita manutenção por dois anos (controle de espécies invasoras, combate a formigas, replantio, etc); após este período o restauro é monitorado anualmente. A cada cinco anos é feito o monitoramento do carbono absorvido seguindo as diretrizes da UNFCCC.

Eduardo Wotzik:
Diretor, autor e um dos mais premiados encenadores de seu tempo. Em sua carreira assinou trabalhos conceituados, tais como: Tróia, A Geração Trianon, Bonitinha, mas Ordinária, Um Equilíbrio Delicado, Sonata Kreutzer, O Interrogatório, Millor Impossível, entre outros.

Ficha Técnica
Texto e Direção: Eduardo Wotzik
Elenco: Analu Prestes, Clarice Derziê, Marcos França e Ricardo Kosovski
Assistentes de direção: Julia Lacaille e Fernando Arze

Assessoria de Imprensa: Daniella Cavalcanti
Resumo: Quatro atores trazem a público, no espaço de uma hora, 45 divertidas crônicas do nosso tempo.

Serviço

Local: Espaço I do Museu do Universo – Planetário da Gávea (Rua Vice Governador Rubens Berardo, 100 – Gávea)
Horário: Quinta a sábado às 21h e domingo às 20h
Ingresso:
R$80,00/40,00 (meia-entrada)
Informações: (21) 2529-2146
Duração: 70 minutos
Capacidade: 90 lugares
Classificação Indicativa: 14 anos
Temporada: 06 de janeiro a 20 de março
Gênero: Comédia