PUBLICIDADE

Cultura São Paulo

EXPOSIÇÃO - SÃO PAULO

Cor e plasticidade nas esculturas de Sara Carone no Estúdio Buck

Cor e plasticidade nas esculturas de Sara Carone no Estúdio Buck

Sara Carone, Sem Título, 2003 (cerâmica, 14 x 24 x 23 cm)

Roteiro cultural de São Paulo

Por Décio Hernandez Di Giorgi

Cor e plasticidade nas esculturas de Sara Carone no Estúdio Buck

Artista apresenta na galeria paulista série de 30 esculturas realizadas em cerâmica e técnica mista. Mostra inclui objetos de parede e mesa que desafiam convenções ligadas à técnica. Inauguração no dia 17 de março, às 19h30. Entrada gratuita

18 de março a 7 de maio de 2011

O Estúdio Buck inaugura no dia 17 de março, às 19h30, a mostra individual da artista Sara Carone.  Sara Carone – Esculturas tem curadoria e texto de apresentação do colecionador Gabriel Zellmeister e é o resultado da recente produção da artista paulistana. São cerca de 30 peças únicas, entre esculturas, objetos de mesa e de parede que transcendem a noção de objeto utilitário, geralmente associadas à técnica que Sara vem depurando em seus quase 30 anos de trajetória artística.

Em texto escrito para a mostra, Zellmeister ressalta a forma como a obra da artista incorpora lições da história da arte ocidental: “ao invés de propor conflitos, oferece inteligência, serenidade e delicadeza”, escreve. A obra da artista, segundo o curador, não deve ser descrita, mas percebida, tocada e, sobretudo, sentida.

Ancestralidade, sedução e toque

Uma das características inerentes à escultura é sua tridimensionalidade e, por extensão, seu convite ao acercamento e, também, ao toque. No conjunto escultórico ora apresentado, as texturas das peças são quase irresistíveis. É nesse aspecto que se estabelece a ambigüidade da obra realizada a partir do barro: ela atenta contra si ao nos seduzir, ensejando o toque. Se por um lado se trata de um objeto único de relativa fragilidade, sua constituição ancestral em argila é sedutora a ponto de nos arriscarmos a tocá-lo para acedermos a sua totalidade.

A trajetória da artista é errática por entre as técnicas que desenvolveu desde os anos 1980, entretanto, confirma-se certeira em sua busca por novos materiais e procedimentos para a fruição de seus valores. Durante sua carreira sucederam-se fases bastante prolíficas, e não menos premiadas, em que buscou orientações de pintura com Yolanda Mohalyi e de gravura com Lívio Abramo. Foi, contudo, no final dos anos 80 que a artista passou a usar o torno cerâmico e a queima de Raku , de origem japonesa, em sua produção.

Tentativa, erro e....  êxito

“Meu melhor guia foi o processo de tentativas e erros ”, dispara a artista. Hoje, Carone trabalha no limite do material, pesquisando novos campos de possibilidades técnicas que desafiam experimentados ceramistas. Disciplinada, procura compreender o “funcionamento dos acidentes” para tirar proveito do acaso em sua produção.
“Num equilíbrio delicado entre matéria e desenho, sem ser propriamente escultura nem objeto, a cerâmica de Sara Carone habita um lugar de difícil classificação, ao mesmo tempo mais longe e mais perto do entendimento”, escreve o amigo e crítico Alberto Martins em texto do catálogo da exposição individual Sara Carone – cerâmicas e desenhos, realizada na Estação Pinacoteca, em fevereiro de 2010.

Sara Carone (São Paulo, 1945). Estuda pintura com Yoshiya Takaoka, Yolanda Mohalyi e Luigi Zanotto. Freqüenta durante os anos 1969 e 1972 a Escola Brasil, criada por Luiz Paulo Baravelli, Carlos Fajardo, José Resende e Frederico Nasser. Dedica-se à cerâmica com o Mestre Lelé e Megumi Yuasa, de 1983 a 1984. Realiza, desde os anos 1970, palestras, oficinas e cursos sobre cerâmica e outras práticas artísticas, em diversas cidades brasileiras. Principais mostras individuais: Paulo Figueiredo Galeria de Arte (1989 e 1991); Murata Gallery, Tóquio, Japão (1990, 1993 e 2000); Museu Nacional do Azulejo, Lisboa, Portugal (1994); Masp (1995) e Estação Pinacoteca (2009). Participou de mostras coletivas em países como Peru, Japão, Bélgica e Portugal. No Brasil, destacam-se as do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo – MAC; Paço das Artes; Centro Cultural São Paulo; Masp; Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM Rio, Paço Imperial e Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, RJ; e Palácio das Artes, em Belo Horizonte, MG.

Serviço:

Evento: mostra individual Sara Carone – Esculturas, de Sara Carone
Abertura: dia 17 de março, quinta-feira, a partir das 19h30
Período expositivo:  de 18 de março a 7 de maio de 2011

Estúdio Buck
Endereço: Rua Lopes Amaral, 123 | São Paulo, SP | Brasil | 04544-040
Horários: de segunda a sexta, das 11 às 19 horas; sábados, das 11 às 14 horas
Telefone: (11) 3846 4028 e 3044 4575
Entrada gratuita
Site: www.estudiobuck.com.br

Navegue por NossaDica

Copyright © 2007 • Nossadica • Todos os direitos reservados • Mapa do siteWebMasterHostDica Serviço de Internet