Home / Dica Cultural Rio de Janeiro / Filme “Livres” traz o drama do sistema prisional para o Festival do Rio

Filme “Livres” traz o drama do sistema prisional para o Festival do Rio

“Livres” estreia no Festival do Rio com apoios de peso do cinema nacional, como o cineasta Silvio Tendler e o musico, ativista e documentarista Marcelo Yuka. O filme revela um duro retrato do caótico universo do sistema prisional brasileiro, sob o ponto de vista de ex-presos.

No próximo sábado (7), às 16h30min, acontece a estreia do filme “Livres”, dentro da Mostra Fronteiras que integra o Festival do Rio 2017, na cinemateca do MAM, seguido por um debate sobre o sistema carcerário brasileiro.

Outras exibições estão programadas para o dia 08/10 às 19:30 no Instituto Moreira Salles, na Gávea e dia 11/10 às 21:45 no Estação NET Rio 2, em Botafogo.

O docudrama Livres produzido pela Chiappini Filmes e Marimbondo Filmes, em coprodução com Pedrada Filmes, discute a vida no cárcere e as péssimas condições das quais os presos são submetidos, através de cenas ficcionais e entrevistas com especialistas da área criminal. Com direção de Patrick Granja, roteiro de Káliman Chiappini e ideia original dos ex-detentos Gilson da Maia, Ivonildo Alves, Fabio Gomes, Fabio Gregorio, Renee e Márcio Souza o filme faz uma análise do sistema prisional no Brasil, em especial na cidade do Rio de Janeiro. Livres conta ainda com apoio de AND, Bombozilla, Mutirão Lab e Piranha Filmes.

Realizada de forma totalmente independente, a obra segue a tendência das arrecadações coletivas e foi financiada via crowdfunding pela plataforma Catarse. O filme conta com apoio da Wings For Change: organização incentivadora de projetos que atuam no campo do empreendedorismo social.

O documentário fala sobre racismo, inclusive no âmbito institucional, prisão, tortura e violações de direitos, mas também grita sobre liberdade, sonhos e justiça. Seis homens com um ideal: usar o cinema como instrumento de denúncia e visibilidade para as mazelas das prisões brasileiras.

 

“Cara, é uma sensação e todo mundo te olhando, aí tu vê as coisas penduradas, espaço nenhum, tudo sujo, tudo muito pesado, o clima…” descreve Fabio Gregorio, um dos ex-detentos e personagens principais.

Em novembro de 2015 cerca de 40 profissionais, do cinema nacional e internacional, se reuniram no subsolo de uma fábrica de gelo, em Inhaúma, na Zona Norte do RJ, para a construção do cenário que foi palco para as cenas de abuso do sistema carcerário, de acordo com a memória dos ex-presos.

“Quando paro para refletir sobre o que está na obra, não consigo me distanciar do pensamento no que se refere ao que chamam de trabalho coletivo. Não apenas como o desejo do fim, mas como uma ideia fixa de militância. Os personagens são histórias a serem absorvidas, e com elas, todo um levantamento histórico, social e urgente“, afirma Káliman Chiappini.

Serviço:
“Livres” no Festival do Rio
Datas e lugares de exibição:
– 07/10 às 16:30, no Cinemateca do MAM – R$10,00
– 08/10 às 19:30, no Instituto Moreira Salles – R$22,00
– 11/10 às 21:45, no Estação NET Rio 2 – R$22,00

* Com informações da assessoria de imprensa Sheila Fonseca Comunicação.

Check Also

“A Vida Passou Por Aqui”, de Claudia Mauro, temporada no Teatro Gláucio Gill

“A Vida Passou Por Aqui”, de Claudia Mauro, temporada no Teatro Gláucio Gill. Peça, vencedora …

Deixe seu comentário