TEATRO MUSICAL

'Galanga, Chico Rei'

A História do Rei do Congo, 'Galanga, Chico Rei'

Foto: divulgação

Roteiro Cultural

Por Yara / CL Assessoria em Comunicação

A História do Rei do Congo, 'Galanga, Chico Rei'

“Galanga, Chico Rei”, um espetáculo musical afro-brasileiro, estréia no Espaço Cultural Tambor Mineiro (Rua Ituiutaba, 339 - Prado), no dia 06 de janeiro, e fica em cartaz até o dia 29 do mesmo mês. O musical tem textos e canções de um dos mais importantes compositores da música brasileira, Paulo César Pinheiro, direção geral do dramaturgo João das Neves e a direção musical de Titane. O multiartista Maurício Tizumba encabeça o elenco.

A montagem traça o panorama da fabulosa história da vida de Chico, rei de uma tribo do Congo que é trazido como escravo para o Brasil e torna-se herói.

Na peça usa-se a congada - bailado dramático tradicional em vários estados brasileiros, principalmente em Minas Gerais, em que os figurantes representam, com cantos, danças, cortejos e muita música, a coroação de um rei do Congo, mesclando cultos católicos com africanos. Esses rituais são dedicados à protetora tradicional dos negros no Brasil, Nossa Senhora do Rosário, e vários santos negros, especialmente São Benedito e Santa Efigênia.

Ao mesmo tempo, Galanga, Chico Rei revê a história tradicional do Brasil e de sua cultura sob o prisma da identidade afro-brasileira. A tradição oral também está presente em cena, com várias versões de uma mesma história sendo contadas, muitas vezes, de forma simultânea.

No elenco, estão: Maurício Tizumba, Alysson Salvador, Bia Nogueira, Denilson Tourinho, Evandro Passos, Everton Coroné, Felipe Gomes, Kátia Araccelle, Lucas Costa, Maíra Baldaia, Rodrigo Jerônimo e Wellison Pimenta.

O cenário reproduz um quartel de congadeiro, local onde se faz as festas e cerimônias, apresentando algumas formas dos sete termos fundamentais do congado e suas coreografias.

O espetáculo repete a parceira entre Paulo César Pinheiro, João das Neves e Maurício Tizumba iniciada no premiado Besouro Cordão-de-Ouro em 2006.

A peça dá continuidade à pesquisa e à linguagem desenvolvida naquele musical que mostrou inovação na temática, na música e na linguagem cênica, resultando em turnê de quatro anos, no prêmio Shell de melhor música e no surgimento de diversas críticas entusiasmadas em todo país. Ao longo da temporada, a equipe aprofundou sua relação com a linguagem e o trabalho em conjunto que resulta agora nesse segundo projeto.

Espetáculo: Galanga, Chico Rei.
Texto e músicas:
Paulo Cesar Pinheiro.
Direção:
João das Neves.
Direção musical:
Titane.
Elenco: Maurício Tizumba, Alysson Salvador, Bia Nogueira, Denilson Tourinho, Evandro Passos, Everton Coroné, Felipe Gomes, Kátia Araccelle, Lucas Costa, Maíra Baldaia e Rodrigo Jerônimo.

A peça dá continuidade à pesquisa e à linguagem desenvolvida naquele musical que mostrou inovação na temática, na música e na linguagem cênica, resultando em turnê de quatro anos, no prêmio Shell de melhor música e no surgimento de diversas críticas entusiasmadas em todo país. Ao longo da temporada, a equipe aprofundou sua relação com a linguagem e o trabalho em conjunto que resulta agora nesse segundo projeto.

Paulo César Pinheiro tem se aprofundado na composição para ritmos tradicionais, como a capoeira e agora a congada, valorizando e revelando a riqueza e as múltiplas possibilidades desses ritmos. Paulo César foi indicado ao prêmio Faz Diferença do Jornal O Globo pela gravação das músicas de Besouro Cordão-de-Ouro, lançado em CD no ano passado pela gravadora Quitanda, de Maria Bethânia.

Galanga, Chico Rei, traz sete composições inéditas (no total são 10), todas em ritmo de congada.

João das Neves, diretor do espetáculo, tem relação estreita com a congada - sendo ele próprio congadeiro - e participa anualmente da Festa do Congo de Oliveira. Para se preparar para este trabalho, João das Neves fez uma pesquisa de linguagem para tratar a cultura da congada em cena no seu espetáculo A Santinha e os Congadeiros apresentado em Contagem/MG com os congadeiros locais.

- “Chico Rei está me permitindo consolidar a parceria com o Paulinho, que foi muito rica no Besouro, e me dando a oportunidade única de trabalhar com um poeta maravilhoso como ele. Espero que essa parceira se dê ainda muitas outras vezes. Além disso, estou tratando de elementos da cultura negra que são muito próximos a mim, o que me dá um certo conforto em tudo que estamos criando juntos”, descreve o diretor.

Mauricio Tizumba, que também repete parceria iniciada em Besouro Cordão-de-Ouro, interpretará Pai Grande, único personagem fixo da peça. Cresceu no Bairro Nova Esperança em BH e recebeu a tradição dos parentes que vieram do interior. "Nasci escutando tambor em terreiro de congado”, declara. Tornou-se capitão da Guarda de Moçambique, um grupo que celebra o congado, com o qual se tornou um dos mais importantes defensores da preservação de sua história.

“Do famoso Chico Rei, nossa história oficial não conta muita coisa. Não existem documentos a seu respeito. Há romances que são inventados. Mas, a história de Chico Rei é verdadeira na medida em que ela representa coisas acontecidas com muitos negros escravos. Este espetáculo resgata o mito pela figura do Pai Grande que conta a história de Chico Rei aos jovens congadeiros, evocando e valorizando a tradição oral para a reconstrução de nossa história”, explica Paulo César Pinheiro.

Navegue por NossaDica

Copyright © 2007 • Nossadica • Todos os direitos reservados • Mapa do siteWebMasterHostDica Serviço de Internet