Dicas de Viagem

DICAS DE VAIGEM

Ilhas Britânicas

Fachada da Tate Modern, às margens do Rio Tâmisa

Foto: Myrthes Lima

Fachada da Tate Modern, às margens do Rio Tâmisa

Por Myrthes Lima
site
www.myrtheslima.com

No ano passado, quando fizemos a viagem à Escandinávia, anunciei em alto e bom som que seria nossa última expedição. Acho que ninguém deu muito crédito, mas eu tinha lá meus motivos: preocupações em relação à idade, à saúde física e mental. Toda viagem um pouco mais complexa requer não só adequado planejamento, também perfeito desempenho. Antes, durante e depois. Vacilou, dançou... É o que sempre digo para o Cardoso.

Cada vez me enrolo mais e tenho menos paciência para arrumar a bagagem: escolher as roupas e os sapatos, pra mim e pro meu consorte, não levar de mais nem de menos; separar os remédios, com cuidado pra ter os de uso diário durante toda a temporada e os necessários numa emergência; e acrescentar tudo o mais que for indispensável, pra não perder tempo em compras, pelo menos nos primeiros dias. Calcular quanto levar em moeda estrangeira, pra não sobrecarregar os cartões. E, last but not least, deixar tudo resolvido em terra pra não deixar ninguém em apuros durante a ausência.

Além disso, munir-se de uma dose extra de paciência pra enfrentar os procedimentos de embarque, hoje em dia exageradamente exigentes, terrivelmente chatos, e preparar corpo e cabeça para o desconforto de uma noite a bordo de uma aeronave.

Mas, tam, tam, tam, comecei a sentir cócegas quando nossa agente de viagem me descreveu sua última – um cruzeiro pelas Ilhas Britânicas – e me garantiu ser light, sem grandes exigências físicas ou mentais, e perfeitamente adequado para nós, tão ligados àquelas terras. As cócegas se transformaram em coceiras e, não demorou muito, todas as minhas intenções, tão enfaticamente anunciadas, foram por água abaixo.

Aí, comecei a pensar. Se íamos pagar uma passagem tão cara pra ir a Inglaterra pegar o navio, por que não passar uns dias em Londres antes? Tão simples...

E por que não estender e passar uns dias em Dublin, logo ali, um lugar que tanto desejava conhecer?

Fechamos, então, nossa viagem assim:

Cinco dias em Londres

Doze dias no navio

Mais cinco dias em Dublin

Aleluia!!! Fiquei satisfeita....

Londres 2008

Desde que lá fui pela primeira vez, e da cidade me enamorei, nunca havia se passado um espaço de tempo tão grande sem voltar – 11 anos! Estava morrendo de saudades...

12/08/2008 – 3ª feira

Chegada às 7h20m no Terminal 4 de Heathrow Airport.

Pegamos um taxi. Infelizmente, não dá mais para vir pelo underground, embora a estação do aeroporto fique na mesma linha da do nosso studio. etc., etc. etc...

Leia mais Londres.

site www.myrtheslima.com