PUBLICIDADE

Teatro - São Paulo

TEATRO - SÃO PAULO

Leon e Sonia

Leon e Sonia

Foto: divulgação

CENTRO CULTURAL B_ARCO - Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 426 – Pinheiros.

Por Péricles Raggio

“LEON E SONIA” NO CENTRO CULTURAL B_ARCO COM ENTRADA FRANCA

03 de dezembro a 19 de dezembro de 2010. Grátis

Com texto Inédito, o grupo Teatro dos Benditos Malditos apresenta espetáculo baseado na vida de Leon Tolstoi, no ano do centenário de sua morte, no Centro Cultural B_arco, com o apoio do Proac - Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo. No mês de dezembro, a entrada é franca. Os ingressos devem ser retirados com uma hora de antecedência.

Leon e Sonia
O novo espetáculo do grupo Teatro dos Benditos Malditos baseia-se em personagem de importância mundial, cujas ações repercutem até hoje, bem como a sua contundente obra literária. Leon Tolstoi foi um homem que transgrediu costumes, dividiu opiniões, mobilizou forças nacionais e internacionais em torno de causas humanitárias.

Tido como um mestre por muitos e considerado um dos precursores dos ideais da Revolução Russa, por outros, convocou as raízes russas para vaticinar acontecimentos futuros: a Tolstoi não passou despercebida a grande convulsão por vir durante a época em que viveu.

Mas, se foi admirado pelo próprio Gandhi – graças à sua Resistência Pacífica, em que preconizava a resistência associada à não-violência –, foi incompreendido até mesmo por membros de sua família. Venerado por uma legião de seguidores, sofreu, por outro lado, veementes oposições ao seu modo de agir e pensar, principalmente quando, aos cinquenta anos de idade, passou a enveredar por uma verdadeira revolução pessoal.

Questionando o valor de sua fama enquanto artista, preferiu abrir mão de sua obra em favor de um idealismo fervoroso, em resposta às questões que afligiam o mundo. Seus pensamentos, ações -  e até mesmo suas contradições -  ressoam até  hoje...e por estes e outros tantos motivos consideramos que já tardava a iniciativa de uma montagem sobre a vida de Leon Tolstoi, no ano do centenário de sua morte.
Baseamo-nos em tudo o que nos comove e que é ressonância de paixões, lutas e descobertas que datam de mais de século...e que mais nos parecem paixões, lutas e redescobertas dos dias de hoje. Pela atualidade da obra, que extrapola a literária, de Tolstoi, este espetáculo foca aspectos da vida  de um autor que foi essencialmente um homem do mundo: que para o mundo viveu e criou.

Processo de Criação

Baseamos a criação teatral no livro “Amor e Ódio: o Casamento de Liev Tolstoi e Sofia Andreievna”, de William Shirer, e em “Guerra e Paz” (de Leon Tolstoi), tomando também por referências  os livros “Tolstoi, meu Pai – recordações”, de Tatiana Tolstoi, “Anna Karenina”, “A Morte de Ivan Ílitch”, “Ressurreição”, bem como os contos “Sonata a Kreutzer” e “A Felicidade Conjugal” de Leon Tolstoi.

O dramaturgista Fábio Fonseca baseou-se nestas obras e na partitura de ações físicas construída pelos intérpretes para criar o texto teatral. A direção de Márcio Tadeu absorveu a dramaturgia dos atores, estimulando-os a constantes descobertas, com foco sobre o revigoramento cênico ao longo de todo o processo criativo. Eduardo Coutinho contribuiu decisivamente com a busca por uma linguagem corporal compatível com os objetivos do grupo na construção deste espetáculo e a criação musical feita por Loop B dialoga diretamente com os conteúdos nele trabalhados.

Diários
Leon Tolstoi e Sonia Andreievna viveram um tumultuado relacionamento por aproximadamente cinquenta anos. Nos vários períodos de incomunicabilidade entre os dois, a única forma de diálogo era por intermédio dos diários escritos por ambos.

Ele escrevia no seu, deixando-o à vista para que ela o lesse; em contrapartida, sua esposa fazia o mesmo e, desta forma, eles  se transformaram num importante testemunho de seu amor e também das profundas crises conjugais e existenciais vividas pelo casal.

Seu casamento representa para nós uma metáfora dos caminhos de uma Rússia em que conflitos e desigualdades confluíram para uma outra forma de organização social. Em paralelo com o complexo contexto político, social e religioso da época, deparamo-nos  com o universo familiar de Tolstoi e Sonia, numa relação marcada por antagonismos profundos: enquanto ele se entrega cada vez mais a uma ascese espiritual e a eloquentes pregações de um socialismo utópico, sua esposa se apega à luta pela sobrevivência, segurança, prosperidade da família e pela preservação dos direitos pela obra de seu marido.

De forma simbólica, a  encenação reflete estes embates afetivos, por um lado, e, por outro, o momento histórico de tão abrangentes consequências. Os diários de Leon e Sonia revelam diferentes faces dos mesmos fatos e refletem dois lados de uma nação em cisão - com todos os possíveis conflitos e contradições acarretados por tal ruptura, profunda e com importantíssimas repercussões. Nada do que se pensou e fez, numa Rússia então incandescente, pode ser ignorado, porque aqueles pensamentos e ações ecoam até hoje. A Revolução que se quisera permanente, sob certo prisma se afirmou como tal: enquanto elemento instaurador de uma outra ordem de pensamentos a favor da qual - ou contra a qual -, o mundo inteiro se mobilizou.

Teatro dos Benditos Malditos

O Teatro dos Benditos Malditos é um Núcleo de Pesquisa nascido na UNICAMP em 1991. Com direção de Márcio Tadeu, o grupo montou os seguintes espetáculos: Gira de Romeu e Julieta – 1991; Wherter, contemplado com o Prêmio Estímulo da Secretaria de Cultura da Cidade de Campinas, no ano de 1993; As Nuvens – adaptação da obra de Aristófanes, com o qual  recebeu o  Apoio à Pesquisa da FUNCAMP, em 1994; Os Jovens Bárbaros de Hoje – de Arrabal, contemplado com o Prêmio Estímulo da Cidade de São Paulo, em 1997; Sujeito Barrado – adaptação de Hamlet de Shakespeare, através do discurso de Lacan, que recebeu o Prêmio Flávio Rangel da Cidade de São Paulo em 2001; e TITU.S. Persona non grata, de 2004.

Ficha Técnica

Direção: Márcio Tadeu
Dramaturgia: Fábio Fonseca
Direção Corporal: Eduardo Coutinho
Elenco: Paula Ernandes e Péricles Raggio
Espaço Cênico e Figurino: Márcio Tadeu
Pintura de Arte: Miguel Nigro
Criação Musical: Loop B
Criação de Luz: Zhé Gomes
Programação Visual: Marina Morel
Produção: Teatro dos Benditos Malditos
Confecção de Figurino:Antônia Rocha Guimarães
Confecção de Cenário: Wagner Dutra

Serviço

Espetáculo: LEON E SONIA
Local: CENTRO CULTURAL B_ARCO - Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 426 – Pinheiros.
Lotação: 43 lugares
Datas: 03 de dezembro a 19 de dezembro – sexta-feira e sábado, às 21h, e domingo, às 20h.
Entrada Franca. O ingresso será distribuído uma hora antes do espetáculo.
Duração: 80 minutos
Recomendação etária: 14 anos
Tema: Drama
Informações: B_arco - 3081-6986
Péricles Raggio - Teatro dos Benditos Malditos: 9327-8995