Artistas - MPB

MÚSICA POPULAR BRASILEIRA - MPB

Márcia Castro

Márcia Castro

Foto: Virginia de Medeiros

Perfil de Márcia Castro

Por Driely Lago - 17/11/2010

Um mosaico chamado
Márcia Castro

Quem diria que a baiana de cabelos encaracolados fosse virar uma cantora com tantos atributos e conquistas? Márcia Castro era uma menina quando começou na música. Depois de ingressar na Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, participou de diversos espetáculos como violonista e cantora. Seu primeiro show autoral, e que mais tarde culminaria no seu primeiro disco, aconteceu em 2003 com o nome “No Arco da Lua, a Linha do Sol”, no Teatro SESI, em Salvador. “No Arco da Lua foi minha primeira inserção autoral na musica brasileira, um show importantíssimo que deu início a um processo de pesquisa de músicas e sons para o meu primeiro disco”, explica a cantora. 

Esse primeiro álbum recebeu o nome de “Pecadinho” e foi gravado em 2006 e lançado em julho de 2007, no Museu de Arte Moderna da Bahia. “O Pecadinho foi um divisor de águas em minha carreira. Nele, estão presentes todas as influências, informações e experiências musicais que vivi, até então”, conta Márcia. "Pecadinho" possibilitou que seu trabalho ganhasse projeção nacional, fazendo-a percorrer novos caminhos como apresentações na abertura dos shows de Marina Lima, no Teatro Castro Alves, pelo projeto MPB Petrobras de Música e da cantora paulista Céu, na Concha Acústica do Teatro Castro Alves.

A cantora fixou residência em São Paulo em 2008 onde lançou nacionalmente seu disco recebendo críticas positivas. Duas grandes conquistas suas com este trabalho foram a inclusão de sua música Queda na trilha sonora da novela Ciranda de Pedra, da Rede Globo, e a indicação ao Prêmio TIM/2008 como melhor cantora pop-rock, concorrendo com Fernanda Takai e Vanessa da Mata que, segundo Márcia, era a prova de que seu trabalho estava indo pelo caminho certo. 

Márcia Castro gravou ainda com Tom Zé a música Filho do Pato no álbum “Estudando a Bossa-Nova” e participou da gravação do disco “Cartola – 100 Anos” cantando a música Catedral do Inferno. Além de ser convidada por artistas que são referência na Música Popular Brasileira, Márcia teve a honra de participar da última turnê da cantora argentina Mercedes Sosa que passou pela Alemanha, Israel e principais capitais do Brasil. Foram mais de dez shows em 11 cidades, sendo que o último, realizado em Salvador, mostrou-se de grande importância para Márcia. “Esse foi um dos momentos profundos em minha vida, nos quais tive a oportunidade de compartilhar da generosidade de uma artista que viveu para o seu povo, para as pessoas, e fazia da música esse instrumento de comunhão”. 

Em 2009, a cantora participou de uma residência artística no Timor Leste que levou ao show “Mulheres pela Paz” na capital Deli. Falando em mulheres, Márcia também fez parte da homenagem ao Dia Internacional da Mulher, no Parque Ibirapuera (SP), ao lado de Mariana Aydar, Andréia Dias, Silvia Machete, Luisa Maita e Giana Viscardi. Em julho do mesmo ano, Márcia cantou no show “Cruel – Uma Homenagem a Sérgio Sampaio” no SESC Pinheiros (SP), junto com Luiz Melodia, Jards Macalé e Zeca Baleiro. No mês seguinte, Márcia esteve no projeto “Pelourinho Cultural”, recebendo a cantora cabo-verdiana Mayra Andrade, uma das revelações da world music na atualidade.

A baiana fez uma pequena pausa e voltou em outubro no programa Som Brasil (Rede Globo) homenageando o cantor Moraes Moreira. Para fechar esse ano muito bem, ela fez show com Maria Gadú e Mariana Aydar através do projeto “Música para Todos os Ouvidos”, lotando a Praça Pedro Archanjo, no Pelourinho, sendo selecionada pela Funarte (SP) a realizar seu show no 3º Festival Espaço Cooperativa. Para Márcia, o ano de 2009 foi significativo pela divulgação do álbum “Pecadinho”, além de aprofundar laços de amizades com artistas de São Paulo. “Foi um ano importante de pesquisa para o que será o meu segundo trabalho. Foi em 2009 que comecei a desenhar esse disco”, confessa Márcia.

O ano de 2010 pegou as energias de 2009 e começou bem para Márcia que já em janeiro recebeu convite para participar do 44th Montreux Jazz Festival e, no mesmo mês, estreou no Festival de Verão, ao lado de Mallu Magalhães, Ana Cañas e Vânia Abreu. Quem acha que Márcia Castro só combina com barzinho e violão, engana-se. Dentre suas contribuições, destaca-se a participação no Carnaval de Salvador em cima do "Trio GUETTO TECH" com Lucas Santanna, Mariella Santiago e dj's Bandido, Mangaio e El Roquer. Também cantou com Moraes Moreira no seu Trio Elétrico “Chame Gente”, grande homenageado do Carnaval 2010.

Em julho, Márcia Castro se apresentou no Festival de Jazz Montreux, no Parc Vernex, pelo projeto “Music in The Park”. Márcia foi a única artista do Parc Vernex convidada para participar do vídeo especial comemorativo do Montreux Jazz Festival, convite que pegou Márcia de surpresa. O DVD será produzido pelo americano Bob Jonhson, gravado em 3D, com participações de Quincy Jones, Angelike Kidjo, Herbie Hancock, Chick Corea, dentre outros. “Estávamos ali, de corpo e alma, eu e minha banda, estreando um show com novas músicas e nova formação. Esse fato, aliado ao fato de tocarmos em um Festival tão importante, aumentou muito a nossa adrenalina e isso vazou para o palco. Uma honra absoluta começar no mercado internacional com esse respaldo”, declara a cantora. O DVD será lançado em dezembro de 2010.

Novos projetos – Márcia de Castro está em estúdio terminando a gravação do seu segundo álbum “De Pés no Chão” que representa todo amadurecimento musical desde o lançamento do Pecadinho. Uma das faixas do CD é uma regravação da música de Moraes Moreira, “Preta Pretinha”, gravada pelo grupo Novo Baianos, que tem a participação especial da Orkestra Rumpilezz, o que caracteriza um álbum de sonoridade mais madura e robusta, onde a presença da banda é fundamental. “É um disco muito eufórico, como eu me sinto, de pés no chão, onde a vibração da vida é muito forte em meu corpo, ao mesmo tempo em que isso tudo me faz levitar. E é tudo uma grande brincadeira”, diz. O álbum será lançado nacionalmente em janeiro de 2011.

Outro trabalho de Márcia Castro é a produção de um álbum paralelo, “Um Bom Filme” que traduz a relação de Márcia com a cidade de São Paulo, não apenas musical, mas humana. O disco tem produção musical de Gui Amabis (co-produtor do último disco da cantora Céu) que possui uma estética de produção meticulosa, particular. A cantora já tem três músicas gravadas com participações especiais de Jaques Morelenbaum (violoncelo), Mayra Andrade, Dengue (baixista do grupo Nação Zumbi) e Vicente Machado (baterista do grupo Mombojó). “Admiro muito esses artistas. É uma produção com fôlego muito contemporâneo”. Esse projeto terá como arte gráfica um desenho da cantora Céu.  

Além disso, Márcia já confirmou sua presença no Festival de Verão Salvador 2011, além de participações nos Carnavais de Salvador e Recife.