carnaval_300x250.gif
beleza3_300x250.gif

TEATRO - SÃO PAULO

Niklasstrasse, 36

Foto: Mariana Noguera

Roteiro cultural São Paulo

Por Heloisa Castilho / Arteplural

A peça Niklasstrasse, 36 é processo colaborativo a partir da obra, de Franz Kafka

Temporada popular vai de 3 a 26 de junho no teatro Cacilda Becker

Baseado na obra A Metamorfose, de Franz Kafka, a Cia dos Imaginários estreia a peça Niklasstrasse, 36, dia 3 de junho, sexta-feira, às 21 horas, no Teatro Cacilda Becker. Com direção de René Piazentin - que também assina a adaptação do texto e a direção de arte -, a montagem mostra uma manhã que deveria ser como outra qualquer, mas que marca, definitivamente, a vida de Gregor Samsa. A metamorfose já aconteceu. Ela é mostrada ao público depois de acabada. O que o espectador vê, ao longo da fábula kafkiana, é a transformação do entorno, das pessoas que convivem com Gregor - a clareza cada vez mais nítida sobre a perversidade das relações familiares, das estruturas de dominação e submissão e da alienação humana.

Em cena, os personagens empregada, pai, mãe, irmã e o próprio Gregor, vividos pelos atores, Aline Baba, Camila Nardoni, Luana Frez, Lucas Almeida e Mariana Viana, revezam-se no papel de narradores da história. Utilizando as palavras do texto de Kafka e trechos de comentários retirados de análises e traduções diversas sobre o autor, René criou uma encenação que traz o olhar de quem percebe a metamorfose e reage a partir dela. O espaço cênico é alterado pela dinâmica do uso de objetos, em especial por malas em diversos tamanhos que guardam em seu interior elementos figurativos. As malas fazem referência à profissão de Gregor - caixeiro viajante. “O recurso essencial é o jogo de recodificação, sem a tentativa de uma perspectiva ilusionista”, comenta a atriz Mariana Viana sobre a direção de arte da peça. Para o figurino, René optou pelo simples. “Pequenas mudanças na indumentária dão suporte às mudanças de personagens.”

Sobre Kafka

Franz Kafka nasceu em Praga, no dia 3 de julho de 1883, filho de um rico comerciante judeu. A relação com o pai, com as diferentes estruturas de poder e um sentimento de espanto com a falta de sentido da existência humana são uma constante em sua obra, influenciada por três culturas: a judia, a tcheca e a alemã. Formou-se em direito, nunca se casou, foi funcionário de uma companhia de seguros. Durante toda sua vida teve uma saúde extremamente frágil e jamais conseguiu fama com seus livros.

Pouco antes de sua morte, em 3 de junho de 1924, em um sanatório para tuberculosos perto de Viena, pediu a seu amigo Max Brod que queimasse seus manuscritos. Graças à “traição” do amigo, hoje conhecemos obras como “O Castelo”, “O Foguista” (que é na verdade o primeiro capítulo de “América”), “A Sentença” e “O Artista da Fome”. “A Metamorfose”, seu conto mais conhecido, foi escrito em 1912, quando o autor tinha 29 anos. Na história, um homem acorda transformado em um “inseto monstruoso”, sem que haja qualquer explicação sobre como ou porque isso acontece. Através desta situação fantástica, Kafka dá seu testemunho de desespero frente ao absurdo e à opressão do mundo.

Sobre a Cia dos Imáginários

A Cia. dos Imaginários formou-se em 2006, a partir do encontro do diretor René Piazentin com atores recém formados que desejavam iniciar uma trajetória profissional vinculada à pesquisa e estruturação de uma linguagem cênica que valorizasse mais a construção de imagens e símbolos que o aspecto verbal. No repertório da companhia: Hamlet- Zero (adaptado de Shakespeare), As Troianas (Sartre), Quixote (Cervantes), Sonata dos Espectros (Strindberg).

Elenco: Aline Baba, Camila Nardoni, Luana Frez, Lucas Almeida e Mariana Viana.
Gênero: drama. Duração: 60 minutos. Classificação: 16 anos. Direção e adaptação: René Piazentin.
Fotografia:
Mariana Noguera.

Local: Teatro Cacilda Becker - Rua Tito, 295 – Lapa. Telefone: (11) 3864-4513.
Estreia: dia 03 de junho. Temporada: sextas e sábados às 21 horas e domingos às 19h. Ingressos: R$ 10,00 e 5,00 (meia). Lotação: 200 lugares. Até 26 de junho.