PUBLICIDADE

Teatro Rio

TEATRO - RIO DE JANEIRO

O Amante

O amante - Com Paula Burlamaqui e Daniel Alvim

Foto: João Caldas

Roteiro de peças de teatro - Rio de janeiro

Por Bruna Amorim - Daniella Cavalcanti Assessoria de Imprensa

O amante - Com Paula Burlamaqui e Daniel Alvim

Temporada: 17 de março a 01 de maio de 2011 no Teatro do Leblon

Sucesso em São Paulo, o espetáculo “O Amante”, de Harold Pinter, estreia no dia 17 de março, no Teatro do Leblon - sala Tônia Carrero, no Rio de Janeiro. Com direção de Francisco Medeiros, o texto provoca muitas e diferenciadas emoções e sensações. Esses estados alternados são um desafio inquietante e motivador para os atores Paula Burlamaqui e Daniel Alvim, que contracenam na comédia dramática.

Harold Pinter, com peças montadas pelo mundo afora, é reconhecido por ser um dos autores mais complexos e instigantes da cena teatral contemporânea, em função de sua sagacidade e sensibilidade acerca, principalmente, das relações afetivas conjugais.

Em O Amante, Pinter levanta provocações, certezas, dúvidas, surpresas, tendo o casamento como o mote principal. Os diálogos são repletos de conflitos, jogos de dominação e de poder, que afloram na convivência do casal Sarah (Paula Burlamaqui) e Richard (Daniel Alvim). Nuances da intimidade e fantasias a dois, em que marido e mulher revezam-se entre algozes e vítimas, vão compondo uma história cheia de grandes revelações, alternadas por blefes e jogos eróticos. O resultado é uma atmosfera de desconfiança, na qual se perde o controle da verdade.

Sarah e Richard são casados há 10 anos, porém jamais tiraram suas máscaras um para o outro. Eles disputam, competem e querem dominar o placar, de uma maneira chocantemente natural para o mundo de hoje. Assim, eles acreditam que estão mantendo a vitalidade da relação e a renovação do prazer, em um mundo em que, invariavelmente, o cotidiano ameaça o amor com seus sintomas já conhecidos: a rotina e o tédio.

Na montagem, a verdade e a mentira terão de ser descobertas pela plateia, que no decorrer da peça, é convidada a tirar as diversas máscaras que acobertam as identidades do casal.
Para o diretor Francisco Medeiros, o brilhantismo do texto está na alternância de jogos conjugais e teatrais. “O texto explora a ambiguidade na dinâmica das relações amorosas”.

É uma enxurrada de sensações, em que a volúpia, a intempestividade, a impetuosidade, o sarcasmo, a franqueza, a subjugação, o desprezo e a cumplicidade estimulam atitudes cruéis, as quais, não raro, fazem parte do relacionamento romântico. De acordo com Francisco Medeiros, a peça é um desafio, porque propõe várias identidades para duas pessoas casadas em uma tentativa vibrante e perigosa de manter a “saúde” do casamento. Um trabalho para atores corajosos...

“Existem relações com a ausência total da máscara? É isso que o Pinter quer discutir, entre outros temas. Ele fazia essa pergunta em 1963 e até hoje ela pode ser aplicada tranquilamente”, conta Medeiros.

Segundo o diretor, “a peça apresenta algumas facetas do ser humano que não costumam ser olhadas, nem lembradas”. E como todo artista de alta qualidade, Pinter não aponta caminhos, nem soluções. Ele constata!

O texto apresenta um genial encadeamento de ideias ambíguas, comprovando a habilidade do autor como um artesão da dramaturgia, na opinião do diretor. “O diálogo é vivíssimo, ágil, sucinto e inteligentíssimo”, completa.

E para superar o desafio que o rico texto proporciona, Francisco Medeiros contou com uma equipe de mestres, como ele mesmo diz. O trabalho de corpo dos atores ficou a cargo de Neide Neves, que baseia sua formação na linguagem desenvolvida com Angel Vianna e, principalmente, com Klauss Vianna.

Aline Meyer, bastante conhecida no mundo teatral paulistano como autora de trilhas sonoras, soma em seu currículo mais uma vez, a assistência de direção. Marichilene Artisevskis é a responsável pelo figurino e o cenário, que alude ao mundo ambíguo dos personagens por meio de persianas, conta com a assinatura de Márcio Medina. Já a iluminação tem o estilo do não menos respeitado Maneco Quinderé.

O público assistirá a uma peça recheada de suspense, ironia, graça, fantasias eróticas, fetiches... Em outros momentos, presenciará cenas de profundas emoções!

Serviço
Estreia para convidados – 10 de março
Estreia para público – 11 de março
Local: Teatro do Leblon – Sala Tônia Carrero
(Rua Conde de Bernadote, 26 - Leblon. Tel.: 2529-7700)
Horário: Quinta a Sábado às 21h/ Domingo às 20h
Preço: Quinta e sexta, R$50,00/ Sábado e Domingo, R$60,00
Duração: 80 minutos
Lotação: 193 lugares
Classificação Etária: 14 anos
Gênero: Comédia Dramática
Temporada: 17 de março a 01 de maio de 2011