PUBLICIDADE

Teatro - Rio

TEATRO - RIO JANEIRO

"Rasga Coração" de Oduvaldo Vianna Filho

Rasga Coração

Foto: Guga Melgar

Local: Teatro Glauce Rocha

Por Mônica Riani

"Rasga Coração" comemora 100 apresentações

1º a 16 de fevereiro de 2011

Considerado uma obra-prima do teatro brasileiro, a peça "Rasga Coração", de Oduvaldo Vianna Filho, dirigida por Dudu Sandroni, inicia sua última temporada no Rio de Janeiro dia 1º de fevereiro, às 19h, quando também comemora a marca de 100 apresentações.

Assistido por mais de 20 mil pessoas em todo o país, "Rasga Coração" está em cartaz desde 2007, sempre com sucesso de crítica e público. Obteve quatro indicações a prêmios: melhor direção para Dudu Sandroni no PRÊMIO SHELL/2007, e PRÊMIO CONTIGO/2007-08; indicação de melhor ator para Zécarlos Machado para o PRÊMIO APTR/2007; além de ter recebido o PRÊMIO APTR/2007 de melhor atriz em papel coadjuvante para Kelzy Ecard.

A montagem tem como protagonista o premiado ator paulista Zécarlos Machado, que recebeu em 1995 o prêmio de teatro APCA (SP) pela atuação em “Corpo a Corpo”, também de Vianinha, além de ter participado novelas e séries na Globo (“Páginas da Vida”, “Casa das Sete Mulheres” e “Malhação”). O elenco conta com mais sete atores do cenário teatral carioca, incluindo a premiada Kelzy Ecard, e também Xando Graça, Alexandre Dacosta, Alexandre Mofati, Pedro Rocha, Tiago D'Ávila, Ana Rios, e Expedito Barreira.

"Rasga Coração" põe em cena uma retrospectiva da vida política e dos rumos do Brasil desde a revolução de 30, do nascimento do movimento comunista brasileiro e do integralismo, até o início da década de 70. “O drama humano do homem e seus sonhos perdidos é o centro da trama e é o que é explorado na nossa montagem”, afirma Dudu Sandroni.

Tendo como personagem central Manguary Pistolão (Zécarlos Machado), homem de meia-idade, funcionário público por profissão e comunista militante por ideologia, "Rasga Coração" mostra Manguary em confronto com as ideias e caminhos de seu filho, ao mesmo tempo em que mergulha nas lembranças de sua própria juventude e nos conflitos com seu pai, nos remetendo aos anos 30 e 40, com músicas e referências à Era Vargas. Utilizando planos da memória, traça um paralelo de três gerações - avô, pai e filho – mostrando sempre situações de luta do indivíduo para impor-se diante do autoritarismo, até um final emocionante.

O espetáculo estreou em março de 2007, com recursos da Funarte/MinC/Prêmio Myriam Muniz.

Vivo fosse, Vianinha estaria completando 75 anos em 2011. No dia 16 de julho de 1974, o autor morreu de câncer aos 38 anos de idade no Hospital Silvestre, no Rio. Ator e dramaturgo, legou ao teatro brasileiro a herança de 23 textos teatrais. De cama, ele ditou para sua mãe - pois já não conseguia mais escrever - o segundo ato de "Rasga Coração". Escrita entre os anos de 1972 e 1974, "Rasga Coração" venceu o Concurso de Dramaturgia do Serviço Nacional de Teatro em 1974, sendo censurada logo em seguida. Apesar do imediato reconhecimento da crítica, a peça, como muitas outras de Vianinha, teve que aguardar um longo período para poder ser encenada. A estreia nacional ocorreu em 1979, no Teatro Guaíra, em Curitiba, com um elenco que contava com nomes como Raul Cortez, Ary Fontoura e Lucélia Santos, dirigidos por José Renato.

Repleta de músicas e de gírias das épocas de 30 e 60, fruto de uma meticulosa pesquisa lingüística e historiográfica, "Rasga Coração" é apontada como a obra-prima de Vianinha, podendo ser considerada a síntese de todo o seu trabalho dramatúrgico. No prefácio da obra, o autor apresenta os objetivos da peça:

“Rasga Coração é uma homenagem ao lutador anônimo político, aos campeões das lutas populares; preito de gratidão à Velha Guarda, à geração que me antecedeu, que foi a que politizou em profundidade a consciência do País. (...) Em segundo lugar, quis fazer uma peça que estudasse as diferenças que existem entre o novo e o revolucionário. O revolucionário nem sempre é novo e o novo nem sempre é revolucionário.” Vianinha não teve tempo de ver sua obra-prima encenada nem seus objetivos atingidos, pois morreu poucos dias após a conclusão da peça.

"Rasga Coração" fará sessões às terças e quartas-feiras, às 19h, no Teatro Glauce Rocha, até 16 de fevereiro. No elenco estão Zécarlos Machado, Kelzy Ecard, Xando Graça, Alexandre Dacosta, Alexandre Mofati, Pedro Rocha, Tiago D'Ávila, Ana Rios, e Expedito Barreira. A peça tem duração de 02h20 (com intervalo). A classificação etária é de 14 anos.

Local: Teatro Glauce Rocha
Av. Rio Branco, 179 - Centro - RJ
Horários: terças e quartas-feiras, às 19h
Preço: R$ 20,00 (inteira) R$ 10,00 (idosos e estudantes)
Data: 1º a 16 de fevereiro de 2011