PUBLICIDADE

Teatro - São Paulo

TEATRO - SÃO PAULO

Sessenta Minutos para o Fim

Sessenta Minutos para o Fim

Foto: Nelson Kao

Teatro Paulo Eiró – Av. Adolfo Pinheiro, 765 – Santo Amaro

Por Marcia Marques (Canal Aberto Assessoria de Imprensa)

Grupo teatral Garagem 21 - Sessenta Minutos para o Fim

4 de março a 3 de abril de 2011

Antes de ir para Festival de Teatro de Curitiba, grupo faz temporada popular no Teatro Paulo Eiró. A encenação inspira-se em séries de humor como South Park, Seinfeld, Monty Python e nos diretores David Lynch e Tim Burton

O grupo teatral Garagem 21 reestreia o espetáculo Sessenta Minutos Para o Fim, no Teatro Paulo Eiró, em curta temporada: 4 de março a 3 de abril de 2011, às sextas e sábados 21h e domingos 19h. Inspirada na obra de Fernando Arrabal e Samuel Beckett, além de séries de humor como South Park, Seinfeld e Monty Python e nos diretores David Lynch e Tim Burton, a peça utiliza a linguagem de quadrinhos e animações para contar a história de dois atores condenados por um coelho a realizar uma apresentação teatral para um público que nunca aparece. Direção, texto, trilha sonora e iluminação são de Cesar Ribeiro.

Sessenta Minutos Para o Fim prepara-se para se apresentar no Festival de Teatro de Curitiba, no Teatro HSBC, em um projeto coordenado por Ivam Cabral chamado Conexão Roosevelt, uma amostra da produção teatral feita na Praça Roosevelt. O espetáculo já se apresentou em várias cidades e festivais do país e recebeu os prêmios de Melhor Espetáculo Adulto, Melhor Ator (Paulo Campos), Melhor Figurino e Melhor Direção (Cesar Ribeiro) no Festival de Teatro da Unicentro. Recebeu o prêmio de Melhor Trilha Sonora (Cesar Ribeiro) no Festival Nacional de Comédia.

Sobre o espetáculo

Um velho e cego ator depende de seu companheiro de cena, um ator inexperiente, para apreender o mundo ao redor. Nos bastidores de um teatro destruído enquanto aguarda a chegada do público, o velho ator surge como um professor em relação ao novato. Mas sua cegueira faz como que ele tenha uma dependência extrema do outro: somente colhendo informações de seu parceiro de cena ele pode saber se está na hora de começar o espetáculo, se está no lugar certo do palco, se as luzes estão acesas...

O velho ator é um canastrão que detém o poder por conta de seu passado de grande artista, mas está diante da morte e do esquecimento, representados pela ausência de público. O novato é proprietário da informação, mas sua capacidade de compreender o mundo é frágil. Para completar esse quadro, um coelho joga baralho ao fundo da cena e observa tudo o que acontece como se fosse um enfermeiro de um hospital psiquiátrico, fazendo um contraponto entre duas realidades: a vivida pelo jogo cênico dos dois “atores” e a situação de internos considerados incapazes de pertencerem ao corpo social.

Ficha técnica
Texto, direção, trilha sonora e iluminação: Cesar Ribeiro Com Ulisses Sakurai, Paulo Campos, Bira Honorato, Keli Viacelli e Sergio Silva Coelho Preparação corporal: Bira Honorato Figurinos: Sergio Silva Coelho Fotos e filmagem: Nelson Kao Design gráfico: Diego Bianchi Pesquisa: Kenn Yokoi e Bruno Gambarotto

Serviço
Teatro Paulo Eiró – Av. Adolfo Pinheiro, 765 – Santo Amaro. Info: 5546-0449 / 5686-8440
Sextas e sábados, às 21h; domingos, às 19h
Temporada  4 de março a 3 de abril de 2011
Ingresso R$ 10,00. | Duração 60 minutos | Recomendação 12 anos.