JPG Oferta da Semana 300x250 VI
 JPG Oferta da Semana 300x250 VI
show/300x250.gif
beleza3_300x250.gif
 JPG Oferta da Semana 300x250 VI
 160_600_Telefonia

EVENTO CULTURAL - RIO DE JANEIRO

Teatro Escola SESC - III Festival Palco Giratório

Teatro Escola SESC - III Festival Palco Giratório

Foto: Andrea Teixeira

Foto “Kabul”, com a Amok Teatro/RJ

Por Ney Motta / Assessoria de imprensa

III Festival Palco Giratório Jacarepaguá/Brasil

27 de outubro até 27 de novembro de 2011

Acontece no período de 27 de outubro até 27 de novembro de 2011, no TEATRO ESCOLA SESC, a terceira edição do FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO JACAREPAGUÁ/BRASIL com apresentações que compõe um mosaico de 21 espetáculos vindos de 10 estados brasileiros. 16 grupos do Amazonas, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe, cujos trabalhos foram selecionados para circulação durante o ano corrente, no Circuito Palco Giratório, promovendo uma infinidade de experiências estéticas em centenas de cidades de todos os estados brasileiros, apresentam durante 1 mês de programação, no TEATRO ESCOLA SESC.

– A ideia do Festival surgiu no desenvolvimento do projeto como uma forma de criar um diálogo entre as artes cênicas e a cidade. Ao todo são 9 festivais Palco Giratório durante o ano, acontecendo nas cidades: Fortaleza, Rio, Florianópolis, Porto Alegre, São Paulo, Curitiba, Porto Velho, Recife e Cuiabá – comenta Sidnei Cruz, assessor de cultura da Escola SESC de Ensino Médio.

A programação oferece ainda: oficinas de teatro com os grupos; conversas com o público, após cada apresentação; e o Pensamento Giratório, quando um mediador convidado debate com o grupo e o público a cerca de um assunto escolhido pelo grupo, geralmente seu tema de pesquisa.
Tudo de graça!

Teatro Escola SESC

O Teatro Escola SESC integra o conjunto arquitetônico projetado por Índio da Costa para a Escola SESC de Ensino Médio, localizado na Avenida Ayrton Senna nº 5677, em Jacarepaguá. Em matéria de capa publicada na edição do dia 11 de setembro de 2011, do caderno Morar Bem (O Globo), com o título “Rio contemporâneo”, o arquiteto Sérgio Rodrigues destaca o projeto de Índio da Costa, como um dos melhores da produção carioca contemporânea de prédios desde 1970. – O conjunto ficou muito bonito e cada setor (educacional, esportivo, residencial e cultural) ficou bem resolvido – elogia Rodrigues. Com capacidade para 600 pessoas, o Teatro Escola SESC possui ainda: salão para exposições, sala de música, sala de dança, sala de ensaio, etc.

Serviço

III Festival Palco Giratório Jacarepaguá/Brasil
Local: Teatro Escola SESC
Endereço: Avenida Ayrton Senna nº 5677, Jacarepaguá, RJ
Informações: (21) 3214-7404 (das 9h às 19h)
Estacionamento gratuito no local
Capacidade de público: 600 pessoas
Horário/Classificação/Gênero/Duração: leia abaixo
Ingressos: GRÁTIS
Web: www.teatroescolasesc.wordpress.com

Observação: As inscrições para as oficinas de teatro serão feitas pelo email da Assessoria de Cultura da Escola SESC de Ensino Médio assessoriadeculturaesem@gmail.com.
A capacidade máxima é de até 20 participantes.

Programação completa

1ª Semana 27 30 de outubro de 2011

Dia 27/10, quinta-feira, às 18:30h

“Acorda Zé, a comadre tá de pé”, com o Grupo Teatral Moitará/RJ

TEXTO, DRAMATURGIA E DIREÇÃO ARTÍSTICA: Venício Fonseca | ELENCO: André Marcos, Diogo Borges, Erika Rettl, Fabiano Manhães, Mariana Bernardes Baltar e Venício Fonseca | SINOPSE: “Acorda Zé, a comadre tá de pé” é um espetáculo farsesco que mergulha no universo cultural brasileiro, fazendo um paralelo entre alguns tipos populares da nossa cultura e personagens da Commedia dell‘Arte. O espetáculo conta a epopeia de Zé-di-Riba, um personagem malazarteano, contador de causos, que inventa histórias cheias de vantagens e presepadas para se livrar de “fazer servicinho para os outros”. Maria, mulher de Zé-di-Riba, escuta na rádio a notícia de um eclipse. Assustada com as crendices de mau agouro, corre para contar a notícia a seu marido, mas encontra-o deitado na rede, com sua preguiça de sempre. Zé aproveita a oportunidade para contar uma história fabulosa, enrolando Maria em mais um de seus causos. Quando o dia escurece, Zé é premiado com mais uma noite. Sonha que vai procurar emprego na fazenda do Coronel Leitão, cujo capataz e conselheiro é seu arquirival. Sonho e realidade se fundem, transformando tudo num grande pesadelo. Zé, frente a frente com o destino, é colocado em xeque para decidir o curso dessa história. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: Livre | GÊNERO: Teatro Adulto | DURAÇÃO: 55 minutos

Dia 28/10, sexta-feira, às 18:30h –

“Cartas de Rodez”, com a Amok Teatro/RJ + Pensamento Giratório

AUTOR: Antonin Artaud | TRADUÇÃO: Lilian Escorel | ADAPTAÇÃO: Ana Teixeira e Stephane Brodt | DIREÇÃO: Ana Teixeira | ELENCO: Stephane Brodt | SINOPSE: O espetáculo é uma seleção de cartas do ator, poeta e dramaturgo francês Antonin Artaud enviadas ao seu psiquiatra, Doutor Ferdière, durante o período em que esteve internado como louco no manicômio de Rodez, de 1943 a 1946. As cartas são um diálogo desesperado de Artaud com seu médico e, por meio dele, com toda a sociedade. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos | GÊNERO: Teatro Adulto | DURAÇÃO: 55 minutos

Dia 29/10, sábado, às 18:30h

“Kabul”, com a Amok Teatro/RJ

DIREÇÃO, TEXTO e Concepção: Ana Teixeira e Stephane Brodt | ELENCO: Stephane Brodt, Kely Brito, Bruce Araujo e Fabianna de Mello e Souza em alternância com Márcia do Valle | SINOPSE: “Kabul” traz quatro faces da guerra, quatro personagens em busca de dignidade e de humanidade confiscadas por décadas de violência, quatro retratos de um Afeganistão visto de dentro das casas, por trás das cortinas e dos véus. O espetáculo é uma criação que partiu de duas fontes: um livro, As Andorinhas de Cabul, do escritor argelino Yasmina Khadra e uma imagem real, uma mulher coberta com uma burca azul sendo executada publicamente no estádio de Cabul, em novembro de 1999. O espetáculo estreou em 2009 e recebeu o prêmio Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro (APTR) na categoria especial para a música, executada ao vivo com instrumentos persas e afegãos. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos | GÊNERO: Teatro Adulto | DURAÇÃO: 75 minutos

Dia 30/10, domingo, às 18:30h

“De-Vir”, com a Cia Dita/CE

DIREÇÃO e Coreografia: Fauller | BAILARINOS: Wilemara Barros, Henrique Castro, Marcelo Hortêncio, Fauller | SINOPSE: Quatro performers pontuam as interferências do corpo com seu ambiente. O corpo entendido como uma mídia que avança por acelerações, rupturas e desacelerações desmembra, constantemente, uma nova roupagem. “De-vir” propõe intensificar esses movimentos ondulatórios engendrando a ideia de um novo design, que pode recompor a disposição e a ordem dos elementos essenciais das estruturas físicas de uma pessoa. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 18 anos | GÊNERO: Dança Contemporânea | DURAÇÃO: 40 minutos

2ª SEMANA: 03 ATÉ 06/11

Dia 03/11, quinta-feira, às 15h –

“Frankenstein”, com a Cia Polichinelo/SP

CONTO ORIGINAL: Mary Shelley | ADAPTAÇÃO: Márcio Pontes | DIREÇÃO: Márcio Pontes | ELENCO: Betto Marx, Márcio Pontes, Ricardo Dimas e Carolina Jorge | SINOPSE: Victor Frankenstein está em seu laboratório muito ocupado na costura de uma imensa criatura. Para que todos saibam da proeza, anota tudo em um diário, deixando para a eternidade o relato de sua aventura. Depois de atingida por um raio, a criatura finalmente ganha vida, mas é abandonada por Victor que foge com medo de sua própria criação. Sozinha, a criatura passa a andar pelas redondezas do castelo, o que causa grande susto. Com medo, as pessoas recusam a aproximação com o “monstro”, mas ele encontra amizade em alguns curtos momentos. Depois de ler sua história no diário de Victor, a criatura pensa que pode ser aceita pelo seu criador e o procura. Mas o cientista, ainda com medo, também se afasta. Não aceita e agredida pela população, a criatura realmente torna-se um monstro. E pode atacar a qualquer momento! | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 6 anos | GÊNERO: Teatro de Bonecos | DURAÇÃO: 50 minutos

Dia 04/11, sexta-feira, às 18:30h –

“Rebú”, com o grupo Teatro Independente/RJ

DIREÇÃO:Vinícius Arneiro | TEXTO: Jô Bilac | ELENCO: Carolina Pismel, Diego Becker, Júlia Marini e Paulo Verlings | SINOPSE: Matias e Bianca são recém-casados e moram numa casa isolada em meio a um descampado. O casal se prepara para receber Vladine, irmã doente de Matias, que traz consigo seu bem mais precioso: Natanael, uma espécie de filho. A hiperbólica e exigida cautela com a saúde da hóspede e a presença do seu acompanhante fazem com que Bianca, aos poucos, crie uma rivalidade com ambos, levando o embate às últimas consequências. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 14 anos | GÊNERO: Tragicomédia | DURAÇÃO: 75 minutos

Dia 05/11, sábado, às 18:30h –

“Cachorro!”, com a Cia Teatro Independente/RJ + Pensamento Giratório

TEXTO: Jô Bilac | DIREÇÃO: Vinícius Arneiro | ELENCO: Carolina Pismel, Paulo Verlings e Vinícius Arneiro | SINOPSE: “Cachorro!” narra a trajetória de um triângulo amoroso composto por uma mulher e dois homens que são amigos há muito tempo. O drama dá-se de forma contundente na medida em que o marido não está ciente da “sociedade amorosa” na qual está inserido. A sensação de perigo constante e o desejo pelo proibido fazem com que os amantes se arrisquem mais do que deveriam. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 14 anos | GÊNERO: Tragicomédia | DURAÇÃO: 70 minutos

Dia 06/11, domingo, às 18:30h –

“A Galinha Degolada”, com os grupos Persona Cia de Teatro e a Teatro em Trâmite/SC

TEXTO: Horacio Quiroga | TRADUÇÃO e ADAPTAÇÃO: Gláucia Grigolo e Jefferson Bittencourt | DIREÇÃO: Jefferson Bittencourt | ELENCO: André Francisco, Gláucia Grigolo, Loren Fischer e Samantha Cohen | SINOPSE: “A galinha degolada” conta a história do casal Mazzini-Ferraz e seus quatro filhos “idiotas”. Portadores de uma doença mental incurável, os meninos sofrem todas as consequências da falta de amor entre os pais. Passado certo tempo, nasce uma menina, que não é acometida pela mesma doença, mas que acaba revelando o verdadeiro sentido da falta de cuidado e amor do casal. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos | GÊNERO: Teatro Adulto | DURAÇÃO: 45 minutos

3ª SEMANA: 10/11 ATÉ 13/11

Dia 10/11, quinta-feira, às 18:30h –

“Concerto de Ispinho e Fulô”, com a Cia do Tijolo/SP

Direção: Rogério Tarifa | Elenco: Dinho Lima Flor, Fabiana Vasconcelos Barbosa, Lílian de Lima, Rodrigo Mercadante, Karen Menatti, Thaís Pimpão, Rogério Tarifa | SINOPSE: Uma Rádio Conexão SP/Assaré anuncia que uma Cia. de teatro de São Paulo chega para entrevistar o poeta Patativa. O que seria uma entrevista costumeira se transforma num diálogo entre o popular e o erudito, o urbano e o rural, e culmina com a denúncia de um dos primeiros ataques aéreos contra civis em território brasileiro, que não está nos livros de história. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos | GÊNERO: Musical | DURAÇÃO: 120 minutos

Dia 11/11, sexta-feira, às 18:30h –

“Uma toada para João e Maria”, com a Cia do Tijolo/SP

DIREÇÃO, CENOGRAFIA e ILUMINAÇÃO: Milton Morales Filho | ROTEIRO: Lílian de Lima e Rodrigo Mercadante | DIREÇÃO MUSICAL: William Guedes | CANTORES/ATORES e MÚSICOS: Lílian de Lima (Percussão), Rodrigo Mercadante, Willian Guedes (Violão) e Aloísio César (Acordeom) | SINOPSE: espetáculo musical feito por quem gosta de cantar Chico Buarque e que certamente encontrará ressonância no público que o aprecia. Mas para aqueles que não conhecem (dificilmente) ou não têm afinidade com o universo das canções desse mestre da música popular brasileira, há um segundo título: “O amor segundo Chico Buarque”. E de amor todo mundo entende um pouco. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 14 anos | GÊNERO: Musical | DURAÇÃO: 60 minutos

Dia 12/11, sábado, às 18:30h –

“A tecelã”, com o grupo Caixa do Elefante/RS

DIREÇÃO, DRAMATURGIA e CONCEPÇÃO ESTÉTICA: Paulo Balardim | DIREÇÃO MUSICAL e COMPOSIÇÃO de TRILHA ORIGINAL: Nico Nicolaiewsky | ELENCO: Carolina Garcia, Alice Ribeiro e Rita Spier | SINOPSE: Uma tecelã capaz de converter em realidade tudo o que tece com seus fios busca preencher o vazio de seus dias criando, para si, o suposto companheiro ideal. O espetáculo trata, de forma poética, da solidão feminina, das dificuldades de relacionamento e do poder criativo como possibilidade de transformação. Mesclando diferentes linguagens, a dramaturgia visual é conduzida por uma trilha musical envolvente, que induz o espectador a experimentar um clima onírico. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos | GÊNERO: Teatro de Bonecos, Ilusionista | DURAÇÃO: 50 minutos

Dia 13/11, domingo, às 16:30h –

“É nóis na xita”, com o grupo Namakaca/SP

DIREÇÃO: Alexandre Roit | ATUAÇÃO, PERCUSSÃO, CAVAQUINHO e Vocal: André Carvalho, Cafi Otta e César Lopes | SINOPSE: Espetáculo infanto-juvenil que recorre intensivamente ao humor. Descontraído, dinâmico e cheio de variedades e atrações, mostra em 45 minutos o convívio entre três personagens, os palhaços Cara de Pau, Montanha e Cafi, que disputam os aplausos do público, aceitando os próprios equívocos como fonte de inspiração e improvisação. Utiliza-se de linguagem e técnicas circenses como malabarismo, monociclo, acrobacias, equilibrismo e palhaçadas. É também musical, brincando com instrumentos como o cavaquinho, o pandeiro e diferentes efeitos percussivos. Com uma montagem rápida e versátil, o espetáculo “É nóis na xita” transforma qualquer lugar em um verdadeiro circo e pode ser realizado em praças públicas, ruas, escolas, ginásios, teatros e sob lonas de circo. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: Livre | GÊNERO: Circo | DURAÇÃO: 45 minutos

4ª SEMANA: 17/11 ATÉ 20/11

Dia 17/11, quinta-feira, às 18:30h –

“No pirex”, com o grupo Armatrux/MG

DIREÇÃO: Eid Ribeiro | DRAMATURGIA: Eid Ribeiro e Grupo Armatrux | ELENCO: Cristiano Araújo, Eduardo Machado, Paula Manata, Raquel Pedras e Tina Dias | SINOPSE: Boquélia, a dona da casa, Bencrófilo, o garçom jovem, Bonita, a cozinheira, Ubaldo, o garçom velho, e Alcebíades, o velho, são personagens que, em volta de uma mesa, dão vida a essa história que mais parece um pesadelo cômico. Ou um jantar surrealista? Uma festa macabra? Uma versão gótica do Mad Tea Party do país das maravilhas? Tudo isso ou nada disso: a piração do “No pirex” é aberta a múltiplas leituras do público.| CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos | GÊNERO: Tragicomédia | DURAÇÃO: 60 minutos

Dia 18/11, sexta-feira, às 18:30h –

“Leve”, com o grupo Coletivo Lugar Comum/PE

CONCEPÇÃO, BAILARINAS-CRIADORAS: Maria Agrelli e Renata Muniz | SINOPSE: O espetáculo Leve transporta para a cena as sensações, os sentimentos e os questionamentos do ser humano diante da morte. O trabalho foi criado sob a perspectiva de quem viveu a perda, a partir das vivências das criadoras-bailarinas Maria Agrelli e Renata Muniz. A concepção do espetáculo surgiu das reflexões das duas artistas, que lidavam de forma diferente, e até mesmo divergente, sobre a perda de pessoas próximas. As variadas perspectivas de encarar a morte serviram de suporte para a criação de Leve, abarcando a complexidade e intensidade do tema proposto. As sensações de impotência, saudade, dor, raiva, desespero, vazio, alívio se mesclam na cena do espetáculo, desvelados pelo corpo das bailarinas e pelo ambiente criado para este trabalho. Um espetáculo-instalação de dança que une coreografia e improvisação, propondo a imersão do público em uma atmosfera mística, intimista e lúdica. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: Livre | GÊNERO: Dança Contemporânea | DURAÇÃO: 45 minutos

Dia 19/11, sábado, às 15h –

“O fio mágico”, com o grupo Mão Molenga Teatro de Bonecos/PE

DIREÇÃO CÊNICA e de ARTE: Marcondes Lima | AUTORA: Carla Denise | ELENCO: Fábio Caio, Marcondes Lima, Fátima Caio | SINOPSE: “O fio mágico” é a história de Gérard, um menino impaciente que recebe o dom de adiantar o tempo manipulando o fio de sua própria vida. Mesmo diante de uma situação fantástica, que aparentemente resolveria seus problemas, o personagem se depara com conflitos entre o bem e o mal, o envelhecimento e a inevitabilidade da morte. A vivência o leva a construir outro olhar sobre o significado da vida. A história mostra que é possível vencer obstáculos e ser bem-sucedido mesmo sem ter um dom especial. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: Livre (recomendado para crianças a partir de 7 anos e adultos) | GÊNERO: Teatro de animação | DURAÇÃO: 60 minutos

Dia 19/11, sábado, às 16:30h –

“O mundo tá virado”, com o grupo Imbuaça/SE

TEXTO e CONCEPÇÃO: Iradilson Bispo | ELENCO: Isabel Santos Neves, Manoel Luiz Cerqueira, Lindolfo Amaral, Luciano Lima, Talita Calixto, Rita Maia, Carlos Wilker, Kessia, Mercya e Rose Moura | SINOPSE: O texto é fruto da união de três histórias curtas que refletem com humor a condição ingênua do ser humano e seu antônimo: a esperteza. Elementos convencionais da ação teatral aliam-se a novos procedimentos estéticos. O grupo construiu a poética do espetáculo com rimas, imagens, música e dança. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: Livre | GÊNERO: Teatro de Rua | DURAÇÃO: 60 minutos

Dia 20/11, domingo, às 18:30h –

“A grande serpente”, com o grupo Imbuaça/SE

TEXTO: Racine Santos | DIREÇÃO: João Marcelino | ELENCO: Isabel Santos Neves, Manoel Luiz Cerqueira, Iradilson Bispo, Luciano Lima, Talita Calixto, Rita Maia, Carlos Wilker, Kessia, Mercya e Rose Moura | SINOPSE: “A ação se passa em uma cidade imaginária do interior do Nordeste, ilhada por caatingas, isolada do resto do mundo”. Essas são palavras do professor e pesquisador Paulo Vieira, que prefaciou o livro do autor da obra, o potiguar Racine Santos. Para ele, a trama aborda principalmente “... o tema do incesto, dos mistérios insondáveis que rondam a natureza humana, do crime e do castigo, pois a seca no poço não é outra coisa que não a punição pelo mau caminho, libertando dessa maneira a esfinge, ou por outra, a besta fera...”. Nessa história encontramos uma chave preciosa, a conexão com a tragédia sofocliana. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 100 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 16 anos | GÊNERO: Teatro Adulto | DURAÇÃO: 70 minutos

5ª SEMANA: 24/11 ATÉ 27/11

Dia 24/11, quinta-feira, às 18:30h –

“Evangelho Segundo São Mateus”, com o Grupo Delírio/PR

TEXTO e DIREÇÃO: Edson Bueno | ELENCO: Regina Bastos, Luiz Carlos Pazello, Marcelo Rodrigues, Janja e Diego Marchioro | SINOPSE: A partir do acontecimento dramático do desaparecimento de um filho e seu hipotético retorno à casa dos pais depois de um longo período, mãe, namorada, irmão e pai iniciam uma investigação emocional e psicológica pelos caminhos percorridos pelo rapaz em sua longa ausência. O conflito familiar é o ponto de partida para uma longa reflexão sobre a condição humana, no que ela tem de bela, doce, engraçada, cruel e trágica. Mateus, o filho que retorna, é um segredo a ser desvendado pelo público. Os personagens dialogam abertamente com a plateia sobre suas expectativas, medos, ansiedades e desejos. Tentam viver seus personagens e, simultaneamente, refletem sobre a condição de atores que representam um drama, nem sempre agradável, diante de um público nem sempre receptivo. Um exercício de radicalidade dramatúrgica e rompimento dos padrões naturais de interpretação. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 14 anos | GÊNERO: Comédia Dramática | DURAÇÃO: 70 minutos

Dia 25/11, sexta-feira, às 18:30h –

“DentroFora”, com o grupo In.co.mo.de-te/RS

DIREÇÃO: Carlos Ramiro Fensterseifer | ELENCO: Nelson Diniz e Liane Venturella | SINOPSE: O espetáculo é uma metáfora sobre o ser humano contemporâneo. Conta o momento em que duas personagens, chamadas apenas Homem e Mulher, se encontram presas em duas caixas. A peça explicita a imobilidade do ser humano perante a vida. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 14 anos | GÊNERO: Adulto | DURAÇÃO: 48 minutos

Dia 26/11, sábado, às 16:30h

“Caminhos – Uma Intervenção Urbana”, com a Cia. Inviezada/RJ

DIREÇÃO: Zé Alex | ELENCO: Alexandre Vollu, Carolina Moraes, Claudia Martins, Marcelo Valentim, Natalia Soarez, Raphael Cassou, Regina Ramos e Viviane Oliveira | SINOPSE: CAMINHOS – UMA INTERVENÇÃO URBANA é um espetáculo itinerante. O espectador é convidado a “ouvir” a sua cidade, o seu cotidiano, o seu entorno e a observar o seu meio de outro ângulo. Caminhos é um mergulho no mundo e nas questões do homem, da contemporaneidade e das relações com o meio que o cerca. A cidade passa então a ser não apenas o cenário, mas também fonte de inspiração para a construção dos personagens e do conteúdo dramatúrgico. O texto é construído não só pelos atores durante o trajeto, mas também pelo espectador. Assim como a própria cidade, com seus carros, ruas, prédios e pessoas que vão e vêm, a narrativa entra em consonância com o movimento da urbe. O texto encontra as suas imagens e palavras nas cenas do cotidiano de uma grande metrópole. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 40 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 14 anos | GÊNERO: Intervenção Urbana | DURAÇÃO: 50 minutos

>

Dia 27/11, domingo, às 18:30h –

“Cabanagem”, com o grupo O Corpo de Dança do Amazonas/AM

CONCEPÇÃO e COREOGRAFIA: Mário Nascimento | DIREÇÃO ARTÍSTICA: Monique Andrade e Getúlio Lima | ELENCO: Adan Souza, Adriana Góes, André Duarte, Ângela Duarte, Baldoino Leite, Fabian Aarão, Flávio Soares, Gentil Neto, Getúlio Lima, Helen Rojas, Liene Neves, Marilucy Lima, Meire Jane Melo, Rosely Reis, Sumaia Farias e Valdo Malaq | SINOPSE: O espetáculo, não-narrativo, apropria-se da essência da Cabanagem e utiliza a linguagem do coreógrafo Mário Nascimento para traduzir o espírito de resistência, de luta, de revolta e de preservação das culturas do local. A Cabanagem foi uma revolta popular na qual negros, índios e mestiços se insurgiram contra a elite política regencial. Diversas batalhas fizeram com que o movimento ficasse marcado pela violência. A pesquisa para o espetáculo partiu da literatura de Márcio Souza e Marilene Corrêa. | CAPACIDADE DE PÚBLICO: 600 pessoas | CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: Livre | GÊNERO: Dança Contemporânea | DURAÇÃO: 50 minutos