Teatro Rio

TEATRO

MOSTRA INTERNACIONAL DE TEATRO - MIT 2009

 MOSTRA INTERNACIONAL DE TEATRO - MIT 2009 - Crónica de José Agarrotado

Crónica de José Agarrotado - Foto: Joan Manrique

Rio de Janeiro - Até 28 de junho no Teatro I do CCBB

Mostra Internacional de Teatrono CCBB - MIT 2009

Por Daniella Cavalcanti / Assessoria de Imprensa

Centro Cultural Banco do Brasil reúne espetáculos de alguns dos mais importantes grupos da Argentina, Itália, Rússia e Espanha

ATENÇÃO! A TEMPORADA FOI ENCERRADA

Realizada desde 1995 pelo Centro Cultural Banco do Brasil – em parceria com o Festival Internacional de Londrina (FILO) – a Mostra Internacional de Teatro – MIT 2009, que já trouxe importantes grupos do teatro mundial como Odin Teatret, da Dinamarca, Peter Brook, da França, La Tropa, do Chile, e Akhe Group, da Rússia, inicia sua quinta edição no Rio de Janeiro, no dia 05 de junho, no Teatro I do CCBB.

Para essa edição, a mostra reúne espetáculos de linguagens bastante diversas, mas que apresentam um ponto em comum: todos investigam questões relacionadas à convivência do ser humano consigo mesmo e com os outros. O espetáculo de abertura, Semianiky, da Rússia, apresenta o trabalho clownesco do renomado Teatr Licedei, nos dias 5, 6 e 7 de junho. Na semana seguinte, La Omissión de la Familia Coleman, da companhia Timbre 4, da Argentina, traz uma tragicomédia sobre a incapacidade de convivência, nos dias 12, 13 e 14. Na terceira semana, a fisicalidade do grupo espanhol loscorderos s.c., apresenta Crônica de José Agarrotado, nos dias 19, 20 e 21. E, fechando a mostra, nos dias 26, 27 e 28, será a vez de Pépé e Stela, um belo e profundo trabalho do Teatro Gioco Vita, da Itália, que conta, na linguagem do teatro de sombras, a história de amizade entre um menino e um cavalo.

Sob a curadoria de Luiz Bertipaglia, o evento ficará em cartaz no Teatro I, de sexta a domingo, às 19h30. A mostra acontece também no CCBB de Brasília.

ESPETÁCULOS:

“Semianyki – Teatr Licedei (Rússia)

Semianyki, mais recente espetáculo do grupo de clown russo Teatr Licedei, criado em 1968 pelo grande Slava Polunin, e considerada a mais importante companhia de teatro-clown da Rússia. Criação coletiva do grupo, o espetáculo de clowns, uma tragicomédia, é composto por uma série de esquetes que coloca em cena  fragmentos da vida de uma louca família. Um pai alcoólatra que sempre ameaça partir. Uma mãe grávida que coloca os filhos em constante conflito de poder. E assim, pouco a pouco, diversas estratégias para matar pai e mãe vão surgindo.

Loucura poética, fúria criativa, humor corrosivo são características da encenação, que prescinde da palavra como forma de comunicação. A peça aposta na linguagem dos palhaços e homenageia estes artistas misturando o tradicional e o contemporâneo, sem deixar de aprofundar-se na maravilhosa sensibilidade russa.

O Teatr Licedei (que traduzido significa literalmente mímica) tem muitos anos de estrada. Foi criado em 1968, na antiga Leningrado, por Slava Polunin, considerado por muitos como o maior palhaço do mundo e responsável por alguns dos mais prestigiados números de clown do ‘Cirque du Soleil’. Foi o primeiro teatro russo de clows e marionetes.

Ficha técnica
Direção artística e cenografia: Boris Petrushansky.
Intérpretes: Olga Eliseeva, Alexandr Gusarov, Kasyan Ryvkin, Marina Makhaeva, Elena Sadkova, Yulia Sergeeva. www.licedei.com

“La Omissión de la Familia Coleman” – Cia Timbre 4 (Argentina)

Uma família argentina de classe média baixa atravessa uma situação econômica muito difícil. Memé, a mãe, é muito infantil para lidar com tudo o que enfrenta: os seus filhos, quatro jovens adultos, têm cada um seus próprios problemas, e a avó é a autoridade moral da casa. A vida vai correndo com normalidade até ao dia em que a avó fica doente. No hospital, todos aproveitam para se aquecer, comer, tomar banho porque em casa já não é possível. Os conflitos acentuam-se e a família Coleman vai se debatendo entre o absurdo do cotidiano e a violência. O humor é negro e corrosivo e vai levar o espectador a reconhecer nos Coleman algumas de suas próprias tragédias familiares.

A Família Coleman vive no limite da dissolução, uma dissolução evidente, mas secreta, convivendo numa casa que os contém e detém, construindo espaços pessoais dentro de espaços compartilhados, cada vez mais complexos de conciliar, os Coleman traduzem, com muita graça, situações contemporâneas. Uma convivência impossível, na qual a violência se instala como natural e patética e onde se ignora o outro. Um espetáculo em que o público entre numa casa e convive com seus moradores.

“La Omissión de la Familia Coleman” é a primeira obra do autor e encenador Claudio Tolcachir, conhecido pelo desempenho como ator no filme O Passado, de Hector Babenco.

Ficha técnica
Texto e direção: Claudio Tolcachir.
Intérpretes: Jorge Castaño, Araceli Dvoskin, Diego Faturos, Tamara Kiper, Inda Lavalle, Miriam Odorico, Lautaro Perotti, Gonzalo Ruiz.
Assistência de direção: Gonzalo Ruiz e Macarena Trigo. /www.alternativateatral.com/critica
 “Crônica de José Agarrotado” – Cia loscorderos s.c. (Espanha)

A atmosfera intimista que se cria em “Crônica de José Agarrotado”, da cia Loscorderos é violentamente sacudida desde o início, pela contundência física e verbal das ações e situações orgânicas e realmente autênticas que vivem os dois intérpretes. Uma relação absurda, porém cotidiana, tanto nos seus aspectos físicos como conceituais, tratada com frescor e jovialidade, criando um mundo próprio, com suas leis próprias. Você nunca pensou em matar seu próprio alter-ego para suportar melhor a vida? O espetáculo mostra um encontro sem saída, com alguém muito próximo, que bem poderia ser você mesmo.

A Cia loscorderos.sc. é formada por apenas dois artistas, David Climent e Pablo Molinero. Ambos pertencem à mesma geração, a de 77, e são da mesma cidade, Castellón. Em 2003, em Barcelona, nasce a Cia loscorderos.sc. O primeiro trabalho é “Crónica de José Agarrotado”. A partir desta criação, se juntam ao projeto dois novos membros, Pilar López, na produção, e o artista plástico Óscar de Paz, que colabora na cenografia, imagem e iluminação. Em 2004, participam do curta-metragem “Te han preguntado por mí?”, dirigido por Guillermo Asensio. Em 2005, realizam a vídeo-criação “Shakespeare Meeting-Point”. Em 2006, “Crónica de José Agarrotado” recebe o Prêmio Aplaudiment Sebastià Gash. Em 2007, realizam a produção “El HombreVisible” e iniciam a criação de “Tocamos a dos balas por cabeza”, a mais recente produção do grupo.

Ficha técnica
Com David Climent e Pablo Molinero.
Criação e Direção: loscorderos.sc.
Desenho de luz: Anna Rovira e Óscar de Paz.
Músicas: Carles López, Pepe Gómez y los Cabreros.
Percussão e palmas: Iban Rodríguez.
Produção: Pilar López.
loscorderos.wordpress.com/

Pépé e Stella” – Teatro Gioco Vita (Itália):

O grupo Teatro Gioco Vita apresenta o lindo texto da sueca Barbro Lindgren, uma das mais importantes autoras de literatura infantil no mundo contemporâneo. Uma emocionante história de amizade entre uma criança, o menino Pépé, e um cavalo de circo, Stella. Uma Odisséia de bolso que fala de separação, perigos, espera e retorno. Uma viagem ao desconhecido, traçada pelas estrelas, que conduz nossos dois heróis a deixarem para trás a potência da infância em nome da frágil beleza da vida de um homem. Um apaixonante  espetáculo infantil - para todas as idades - contado  por atores e sombras.

Pépe e Stella, nascidos na mesma noite, no grande circo da cidade, mantêm uma amizade indestrutível e especial, levando o menino e o cavalinho a trabalharem juntos numa atração circense. Inseparável, o duo partilha tudo: jogos e números cada vez mais perigosos. Até que um dia, no momento de executar o número, o cavalo Stella tem medo e fraqueja. É quando o diretor do circo decide desfazer-se do animal. Começa então uma longa jornada de Stella ao desconhecido, uma sucessão de aventuras pelas quais terá de passar para finalmente reencontrar seu amigo.

Um texto leve dá graça e poesia à história simples, com uma trama cheia de idéias e emoções fortes. As sombras da trupe italiana restituem a delicadeza de cada cena, sempre suspensa entre o real e o fantástico.

O Teatro Gioco Vita (de Piacenza, Itália) é um dos responsáveis pela renovação do teatro de sombras na Europa. A companhia nasceu como Teatro Estável e Centro de Produção, Promoção e Pesquisa Teatral no campo da experimentação e do teatro para a infância e a juventude. O grupo se formou em Turim, no final dos anos 1960, e transferiu-se para Piacenza, em 1976, onde funciona até hoje.

Ficha técnica
Direção: Fabrizio Montecchi.
Formas: Nicoletta Garioni.
Música: Michele Fedrigotti
www.teatrogiocovita.it

 FICHA TÉCNICA MIT 2009:
Curadoria: Luiz Bertipaglia
Produção: Buenos Dias Projetos e Produções Culturais
Coordenação Técnica: Cesar Augusto
Produção Executiva: Neco Fx

PROGRAMAÇÃO:

Dias 5, 6 e 7 – “Semianyki – Teatr Licedei (Rússia)

Classificação: 12 anos.
Duração: 60 minutos.

Dias 12, 13 e 14 – “La Omissión de la Familia Coleman” – Cia Timbre 4 (Argentina)

Classificação: 14 anos.
Duração: 80 minutos.

Dias 19, 20 e 21 – “Crônica de José Agarrotado” – Cia loscorderos s.c. (Espanha)

Classificação: 14 anos.
Duração: 55 minutos.

Dias 26, 27 e 28 – “Pépé e Stella” – Teatro Gioco Vita (Itália)

Classificação: Livre.
Duração: 50 minutos.

Mostra Internacional de Teatro – MIT 2009
Temporada: 5 a 28 de junho
Local: Centro Cultural Banco do Brasil - Teatro I (Rua Primeiro de Março, 66 – Centro.)
Horários: sexta a domingo às 19h30
Preço: R$10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)
Bilheteria: de terça a domingo, das 10h às 21h.
Maiores Informações: 3808-2020
www.bb.com.br/cultura
Consulte a classificação indicativa de cada espetáculo!