TEATRO - RIO DE JANEIRO

“Tempo de Comédia”, de Alan Ayckbourn

Tempo de Comédia

Foto: Luringa

Roteiro de Teatro

Por João Pontes e Stella Stephany

SESC Rio apresenta “Tempo de Comédia”, de Alan Ayckbourn

07 de abril a 1º de maio de 2011

Com direção de Eliana Fonseca e há quase um ano em cartaz em São Paulo, a comédia de Ayckbourn, autor mais encenado no mundo, faz sátira aos bastidores da televisão e conta uma história de amor futurista entre um roteirista e uma atriz androide

“Tempo de Comédia de Alan Ayckbourn (1999) é (...) uma das melhores peças que já assisti em décadas indo ao teatro. É uma farsa engraçadíssima, uma estória de amor muito delicada, uma sátira soberba à televisão e outras loucuras humanas, um drama sério inteligentemente recheado de reflexões profundas sobre vários aspectos da vida e da arte, e uma noite irresistível no teatro. Se você for assistir a só uma peça na sua vida, que seja essa.”

John Simon, New York Magazine (27/11/2000)

Depois de temporada de sucesso em São Paulo, no teatros SESI e Cleyde Yaconis, a peça “Tempo de Comédia”, de autoria de Sir Alan Ayckbourn (www.alanayckbourn.net), chega ao Rio para curta temporada de um mês no Teatro SESC Ginástico. A tradução e de Ricardo Ventura e Eduardo Muniz, a direção é de Eliane Fonseca, e no elenco estão Julia Carrera, Eduardo Muniz, Arnaldo Marques, Cris Larin, Bia Borin, Gustavo Damasceno, André Frazzi, Livia Guerra, Ricardo Ventura, Livia Lisboa. A realização é do SESC Rio.

O inglês Alan Ayckbourn escreveu ao longo de sua carreira mais de 70 peças. Ganhador de inúmeros prêmios, entre eles o Olivier e o Molière, suas peças já foram traduzidas para 35 idiomas e são montadas no mundo inteiro, além de adaptadas com grande sucesso para a televisão e para o cinema. O autor, ainda pouco conhecido no Brasil, não tem nenhuma tradução de seus textos publicada no país, e apenas quatro montagens de peças suas foram realizadas nas últimas quatro décadas, sendo três delas na década de 70.

SINOPSE

Em um futuro não tão distante, robôs substituem atores nas novelas de baixo orçamento. O jovem escritor Adam Trainsmith (Eduardo Muniz) conhece Chandler Tate (Arnaldo Marques), diretor de comédias aposentado, que agora vive às custas de dirigir esses atores robôs, os chamados “actóides”. Durante as gravações, o protagonista da novela comete uma série de erros e a actóide JC-F31-333 (Julia Carrera) morre de rir. Mais tarde, Adam está assistindo a filmes antigos no set, e JC-F31-333 ri novamente. Ela tem medo de que o seu senso de humor seja um defeito, mas Adam vê nisso uma vantagem. Ele apelida-a Jacie e convence Chandler a dirigir uma comédia especialmente para ela. Com ciúmes da simpatia de Adam por Jacie, a diretora regional Carla Pepperbloom (Cris Larin) ameaça arruinar o projeto, e ordena que sua memória seja apagada. Adam entra em pânico e decide fugir com Jacie. Durante a fuga, o casal passa por situações inusitadas e acaba se apaixonando.

TORTAS VOADORAS

O texto tem a estrutura de um roteiro clássico de humor, costurado por situações cômicas, como inversões de expectativas, repetições e até tortas de creme que voam entre os personagens, resgatando o bom e velho humor clássico, irreverente e atemporal.

O texto explora de forma inteligente a robotização dos artistas e a banalização dos programas e séries de TV. “Uma das motivações do autor ao escrever esta peça foi justamente manifestar sua insatisfação com a falta de preparo, a superficialidade e a mecanização dos atores na atualidade. E nós sabemos que a banalização da arte é uma questão mundial (...)”, comenta Júlia Carrera, atriz e produtora da peça.

Eduardo Muniz, também ator e produtor da montagem, descobriu o texto quando morava em Nova York, e conta ter pressentido que “essa peça causaria uma identificação instantânea com o público brasileiro. A cada risada ou aplauso em cena aberta, fica evidente que o público reconhece esses robôs-atores do palco na televisão”.

A MONTAGEM

Ambientada em um switcher de TV no primeiro ato, a ação de “Tempo de Comédia” segue para um restaurante, uma butique, um hotel e um quarto de prostíbulo. São vários cenários, mas criados a partir da síntese de poucos elementos, como gosta de trabalhar a diretora Eliana Fonseca.

A PEÇA NA IMPRENSA INTERNACIONAL

“É uma obra-prima! Uma hilária sátira social, um discurso sobre a natureza da comédia e um comentário melancólico sobre o poder e a precariedade do amor (...) Tempo de Comédia possui tanto uma atualidade cômica como um potencial trágico.” (John Simon, New York)

“Sr. Ayckbourn cria uma divertida variação sobre o mito de Pigmalião abordando também os maus atores e a televisão de baixa qualidade, o amor, o segredo da comédia pastelão e tudo o que há de absurdamente mecanizado na natureza humana.” (John Heilpern, The New York Observer)

“Ayckbourn é um gênio quando se trata de piadas técnicas: a ação que congela no apertar de um botão; a música de fundo que começa a tocar em momentos emocionantes; Jacie disparando falas estranhas aprendidas num antigo seriado policial; o “double take”; a torta na cara (...) Mais engraçados ainda são os momentos de originalidade, quando a peça atinge o sublime.” (Lindsay Duguid, Times Literary Supplement)

FICHA TÉCNICA:

Autor: ALAN AYCKBOURN
Tradução: RICARDO VENTURA & EDUARDO MUNIZ
Direção: ELIANA FONSECA
Assistente de Direção: MALU BAZAN

ELENCO (ator - personagem)
Julia Carrera - Jacie
Eduardo Muniz - Adam
Arnaldo Marques - Chandler
Cris Larin - Carla
Bia Borin - Prim
Gustavo Damasceno - Médico, Garçom e Alemão
André Frazzi - Marmion e Jovem
Livia Guerra - Trudi E Garota
Ricardo Ventura - Lester e Homem
Livia Lisboa - Mãe/Esposa e Prostituta

SERVIÇO:

TEMPORADA: 07 de abril a 1º de maio de 2011
LOCAL: Teatro SESC Ginástico - Av. Graça Aranha, 187      tel: 21 2279 4027
(próximo ao metrô Estação Carioca / não tem estacionamento próprio)
Horários de atendimento da bilheteria: 3ª a domingo, das 13h às 20h
Vendas antecipadas: das 13h às 18h / não há vendas por Internet ou telefone
HORÁRIOS: quinta a domingo, às 19h
DURAÇÃO: 100 minutos
INGRESSOS: R$20,00, R$10,00 (meia entrada) e R$5,00 (comerciários)
CAPACIDADE: 521 espectadores
CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos