Home / Agenda Cultural de Brasília / Transfigurações, fotografias 1968-2012, de Roger Ballen

Transfigurações, fotografias 1968-2012, de Roger Ballen

A CAIXA Cultural Brasília apresenta, em sua Galeria Principal, representativa mostra com a trajetória artística de quase 50 anos do fotógrafo:

Roger Ballen

em

Transfigurações, fotografias 1968-2012

Revista e aumentada, a exposição apresenta uma seleção de mais de 100 fotografias dividida em nove séries. Essencialmente norteada pela busca por autoconhecimento, a mostra transporta o visitante através de uma jornada de transfigurações reais e simbólicas do artista.

Brian com porco de estimação, 1998, da série Outland

 

Eugene ao telefone, 2000 da série Outland

Depois de passar por uns dos principais museus brasileiros, o MAM, no Rio de Janeiro, o MON, em Curitiba, e o MAC, de São Paulo, a CAIXA Cultural Brasília é a próxima sede desta que é a primeira mostra individual na América Latina do aclamado fotógrafo, agora acrescida da série “The Theatre of Apparitions”. Com trajetória profissional iniciada apenas em 1994, Roger Ballen coleciona importantes prêmios pelo mundo e se estabeleceu como um dos mais respeitados de sua geração. Suas fotografias fazem parte de coleções como as do MoMA, em Nova Iorque; Centre Georges Pompidou, em Paris; Maison Européenne de la Photogrpahie e Musée Nicephore Niepce, na França; Victoria & Albert Museum, em Londres; e Stedelijk Museum, em Amsterdã.

 

 

Dividida em séries, a exposição que desembarca na Galeria Principal da CAIXA Cultural, de 3 de outubro a 17 de dezembro, “explora temas e gêneros fotográficos do artista que, pouco a pouco, teceu o fio condutor das suas pesquisas estéticas e metodológicas mais particulares”, explana Daniella Géo, curadora da exposição.

 

Roger Ballen (1950, Nova Iorque) se interessou, inicialmente, pela chamada fotografia de rua, buscando desde situações fortuitas até a sua primeira proposição temática, o universo de meninos em diferentes culturas. Em 1982, ao se mudar para a África do Sul, onde vive até hoje, começou por documentar a arquitetura vernacular das áreas rurais do país e logo trocou as fachadas pelo interior das residências. Da peculiaridade desses espaços íntimos, o enfoque se transpôs, em seguida, aos próprios habitantes.

Reposição, 2010, da série The Theatre of Apparitions

Filho de colecionadora e galerista especializada em fotografia, nos anos 1970, Roger conviveu com grandes como o francês Henri Cartier-Bresson, o húngaro André Kertész e norte-americano Paul Strand, este que foi o primeiro a inspirá-lo. “Ainda muito jovem, fui cativado pelo trabalho de Paul. Era um fotógrafo de rua, mas trabalhava com seus objetos de uma maneira muito íntima. Seu profundo respeito pelas qualidades formais inerentes a uma fotografia e seu uso do formato quadrado foram significativos para mim”, recorda Ballen, “já à sofisticação de Kertész, eu devo a compreensão do enigma e da complexidade formal que são subjacentes a muito do meu trabalho”, destaca.

 

Seus primeiros passos como fotógrafo se deram em 1968, quando ganhou uma Nikon FTN pela formatura do ensino médio, “no mesmo dia em que a recebi, fui para os arredores da prisão Sing Sing, perto de Nova Iorque, para fotografar, ainda agora posso lembrar como era o cheiro da câmera naquele primeiro dia”, recorda o artista. À época, Roger se interessava em fotografar homens mais velhos, “e fiz uma imagem de dois homens pescando no lago, em St. Louis, intitulada Old Men Fishing”, considerada por ele como “minha primeira imagem, que continha um aspecto de mim mesmo”.

Fragmentos, 2005, da série Boarding house

Na diversidade da obra de Ballen, suas fotografias mantiveram unicidade ao serem tanto associadas à estética do grotesco, quanto impregnadas de certa surrealidade. Segundo a curadora, as imagens apresentadas por Roger “são costuradas pela escolha singular das pessoas, dos objetos e do espaço em que são fotografados, pela estranheza de gestos, pela relação sui generis entre os elementos que compõem a imagem – muitos deles recorrentes –, além de frequentemente evocarem uma proximidade entre humanidade e animalidade”.

 

A partir de 1995, com a série Outland, Ballen passou a desenvolver imagens fundamentadas nas teorias junguianas, que resultaram no que seria a principal transformação em seu trabalho, quando, para a curadora, “Ballen deixou a fotografia documental para investir na criação de imagens híbridas, que mesclam realidade e ficção, o documental e o teatral, o “simples” retrato e o tableau”, como meio de autodescoberta e autocompreensão. Para Roger, a arte mais importante é aquela que se implanta dentro do subconsciente humano: “Muitas vezes, declarei que quero que minhas imagens sejam como balas virais de ponta de prata: capazes de penetrar o espectador antes de ele estar ciente e, então, se espalhar por todo o corpo como um vírus”.

Assembleia, 2011, da série The Theatre of Apparitions

Em sua série mais recente e que será exibida pela primeira vez na América Latina na CAIXA Cultural Brasília – The Theatre of Apparitions – vê-se a presença de pinturas em suas fotografias. A primeira das imagens desta série foi feita em uma prisão feminina abandonada. “Uma então presidiária havia pintado sobre os vidros das janelas de uma das celas e, depois, desenhado figuras sobre a tinta preta. Pouco depois dessa descoberta, comecei a recriar imagens similares àquelas na prisão, usando janelas de vidro”, descreve Roger. Embora este tipo de trabalho possa ser visto como puramente desenho, é crucial considerar que, “sem minha experiência de décadas de fotografia em preto e branco, essas imagens não teriam sido possíveis e foi fundamental na criação dessa iconografia única”, afirma.

 

Detalhe da montagem. Foto: Joana França

SERVIÇO:

Exposição: “Transfigurações, fotografias 1968-2014”

Local: CAIXA Cultural Brasília – Galeria Principal

Endereço: SBS Quadra 4, Lotes 3/4 – Edifício Anexo à Matriz da CAIXA

Abertura: dia 3 de outubro de 2017, terça-feira, às 19h, com visita orientada pela curadora da exposição, Sra. Daniella Géo

Visitação: de 4 de outubro a 17 de dezembro de 2017, de terça-feira a domingo, das 9h às 21h

Informações: (61) 3206-9448 e (61) 3206-9449  www.caixacultural.com.br

Classificação indicativa: Livre para todos os públicos

Entrada franca

Produção executiva: Patuá Produções Artísticas

www.facebook.com/rogerballentransfiguracoes/

 

 

ROGER BALLEN

Expôs individual e coletivamente em diversas instituições tais como George Eastman House, Rochester, exposição retrospectiva nomeada finalista na categoria de melhor exposição de 2010 do Lucie Awards, considerado o Oscar da Fotografia; Berlin Biennial; PhotoEspana, Madri, onde recebeu o prêmio de melhor livro em 2001; State Museum of Russia, São Petersburgo; Triennale, Milan; Fondation Cartier, Paris; Festival de la Photographie d’Arles, onde foi selecionado como fotógrafo do ano de 2002; Biblioteque Nationale, Paris; Noordelicht, Amsterdã; Victoria and Albert Museum, Londres; New Museum, MoMA-NY. Suas exposições individuais figuraram entre as Top 10 Exhibitions da ArtForum, nos anos 2002 e 2004. As fotografias de Roger Ballen fazem parte de coleções tais como as do MoMA de Nova York; Centre Georges Pompidou, Paris; Maison Européenne de la Photogrpahie e Musée Nicephore Niepce, França; Fotomuseum, Munique; Victoria & Albert Museum, Londres; Stedelijk Museum, Amsterdã; entre outros.

Check Also

Menu com cortes nobres são destaque no 8º Festival Sabor Suíno

O El Negro oferece um dos carros-chefe da casa para participar do evento, que acontece …

Deixe seu comentário